Economia

ANTT voa atrás dos prejuízos da Viação Itapemirim

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) age com o Grupo Itapemirim do final para frente. Ou seja, dá as caras depois da lambança consolidada na empresa no transporte rodoviário interestadual entrar em cartaz em todo país. A companhia sobreviveu dentro de um Plano de Recuperação Judicial (PRJ) mambembe.

Na sexta (14/01), pelo Twitter, a ANTT deu informação da qual deveria se envergonhar. Diz que acompanha o velório da Viação Itapemirim. O correto seria “acompanhar detalhes” sobre avida da empresa lá atrás, no início da recuperação judicial, em março de 2016. Na época, o buraco declarado supera os R$ 2 bilhões (valor histórico).

Itapemirim quer anistia de R$ 1,6 bi em impostos federais (06/10/2021)

Mesmo falida, a Itapemirim ficou livre para tudo

Nesta meia década, a ANTT, vinculada ao Ministério da Infraestrutura, foi passiva diante administradores da companhia. Ficaram livres para elevar passivo do caixa quebrado, irrecuperável. A empresa ficou livre, até mesmo, para participação em licitação bilionária de linhas urbanas em São José dos Campos (SP). A agência foi, portanto, incompetente em mercado altamente ofertante de novos prestadores de serviços e com formas de gestão ágeis e transparentes.

“A ANTT se reuniu com representantes do grupo Grupo Itapemirim, para acompanhar os detalhes da situação da operação do transporte interestadual de passageiros realizado pela empresa, já que recentemente a empresa solicitou a suspensão de algumas linhas” (sic – com a palavra grupo duas vezes seguidas), publicou a agência na conta do Twitter.

Antes da virada do ano, a Itapemirim solicitou e foi atendida, de uma só vez, na desistência de nada menos que 61 itinerários (seções e mercados) interestaduais. Todavia, a bem da verdade, a empresa já havia abanado várias. A oficialização da ANTT veio, portanto, no apagar das luzes: 30 de dezembro.

ITA: Justiça tem contas a prestar à Justiça

O Governo, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac/Ministério da Infraestrutura), permitiu que o Grupo Itapemirim, mesmo falido, decolasse com a ITA – Itapemirim Transportes Aéreos. E deu no previsível: pane irreversível, após seis meses de rotas problemáticas, a contar do voo inaugural.

Da 1ª decolagem ao último pouso, ITA colecionou tempestades – Aeroporto do Galeão – Crédito Gov. Estado RJ

A constituição da empresa, contudo, teve cara, cor e cheiro de enorme trapalhada dentro de Vara de Recuperação Judicial de São Paulo. Na Justiça, por exemplo, credores acusaram o administrador da Recuperação Judicial, empresário Sidnei Piva, de desviar receitas das empresas em recuperação. Mas, foram derrotados.

Nairo Alméri

Posts Relacionados

John Deere supera escassez de chips e lucra 17% a mais

A Deere & Company, dona da marca John Deere e líder global em máquinas agrícolas,…

18 minutos atrás

Sem Eletrobras, Era Vargas fica pela Petrobras e BNDES

Quando o Governo privatizar a Eletrobras, das grandes empresas setoriais idealizadas e criadas nos Governo…

1 dia atrás

Artigo: Onde há Defensoria Pública, há justiça e cidadania

Fernando Martelleto* O dia 19 de maio foi oficialmente instituído como o Dia Nacional da…

1 dia atrás

AlphaVille continua no prejuízo e vai esfolar seus clientes

Uma das principais grifes de empreendimentos imobiliários de alto padrão país, a holding AlphaVille S.A.…

3 dias atrás

Sunew renova agonia no BNDES; liquidação em pauta

A insustentabilidade da Sunew Filmes Fotovoltaicos Impressos S/A, fábrica de filmes para geração de energia…

4 dias atrás

Viana admite sair da disputa após previsão de 2º turno em Minas

O senador Carlos Viana (PL) colocou a própria candidatura a governador no telhado. Ou colocaram…

4 dias atrás

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!