Economia

Eterno olho gordo do PT bota pressão na Petrobras

A maior empresa do país continua, neste 2024, pagando caro pelas cobiças, ingerências e desmandos externos do Partido dos Trabalhadores (PT). Mas a conta vai para os acionistas da Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras). Eles assistem repetecos das disputas do partido no período da longa gestão petista passada, de janeiro de 2003 a maio de 2016.

Mas, nesta temporada, a governança corporativa da Petrobras segue a passos mais largos para o balcão dos negocinhos políticos.

A estatal foi mergulhada em bacia de almas de vampiros da Lei de Gérson antes mesmo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP) tomar posse para este o terceiro mandato. Em dezembro de 2022, Lula negociou apoio à reeleição do deputado Arthur Lira (PP-AL) e do senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) nos comandos da Câmara e Senado, respectivamente. A ação franciscana (“é dando que se recebe”) exigida pelo petista impunha um remendo na Lei das Estatais, para retirar impedimentos de políticos presidirem estatais.

Assim foi feito. E o PT brindou Aloizio Mercadante (PT-SP) e Jean Paul Prates (PT-RN). Respectivamente, os políticos foram entronados no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Petrobras.

Petrobras e descabida guerra de Lula nos dividendos

Mas deu chabu para o Prates. Em março, quando a Petrobras anunciou a distribuição de dividendos extraordinários aos acionistas, Lula declarou guerra. O presidente da República investiu contra o Estatuto da empresa e às regras de mercado, da Bolsa de Valores B3. Prates defendeu aquilo que está escrito.

O dedo do petista provocou, num só pregão, perda de valor de mercado de R$ 53 bilhões para a estatal.

Lula, pressionado pela ala xiita do PT, aumentou, então, o fogo para da fritura de Prates. O dirigente da empresa já era a bola sete do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD-MG).

O ministro discordava da autonomia de Prates nas nomeações dos diretores. Ao Silveira se aliou o ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa (PT-BA).

Mas, faltando dez dias para fechar abril, o presidente da República concordou com a liberação entre acionistas de 50% dividendos extraordinários. Portanto, pouco mais de R$ 20 bilhões.

A União controla 50,26% das ações ordinárias, com direito a voto, do capital da companhia. Somadas as participações nas preferenciais do BNDES e da BNDESPar, o Governo controla 34,62% do capital total (Fonte: Bolsa B3, 07/05/2024).

Na terça (14/05), todavia, após o fechamento da Bolsa, Lula demitiu Prates. E, nesta quarta (15/05), veio nova conta amarga: desvalorização de R$ 35 bilhões.

Ou seja, toda vez que o PT bota pressão na estatal, pinta prejuízos para os acionistas. Nas duas desvalorizações, em pouco mais de 60 dias, a empresa perdeu R$ 88 bilhões.

Magda terá voz, mas não o comando

Livre do amigo, o chefe do Planalto imitou Dilma Rousseff (PT-RS), nomeando uma mulher para a cadeira do topo da estatal. Chega, portanto, Magda Chambriard, ex-diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), no Governo Dilma. Assumirá de modo interina.

Ela recebeu dois comunicados: poderá apenas sugerir nomes para a equipe, o Planalto é quem aprova. E deverá definir logo investimentos de R$ 14 bilhões.

Nairo Alméri

Posts Relacionados

Empresários e Governo do RS mantêm Expointer

Apesar dos estragos causados pela tragédia das enchentes de maio, os promotores e o Governo…

1 dia atrás

Pressão leva pré-candidatos a prefeito de BH à desistência

A menos de quatro meses da eleição, alguns pré-candidatos a prefeito de Belo Horizonte entraram…

2 dias atrás

Impediram Roscoe, mas Zema não desistiu

Há pouco mais de dois meses (05 de abril de 2024), integrantes do universo dos…

3 dias atrás

Conhece um eleitor pesquisado em BH?

O eleitorado de Belo Horizonte foi confrontado nesta terça (11/06) com pesquisas de intenção de…

5 dias atrás

Candidatos de Lula, Bolsonaro e Zema não decolam em BH

Apesar da alta influência da polarização nacional e de seus chefes políticos, os pré-candidatos de…

6 dias atrás

Corporativismo nacional contra Sergio Moro

Ministro do STF acusou Sergio Moro de "roubar galinhas". Revelação ocorreu nesta terça (11/06). Leia…

1 semana atrás

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!