Política

Além da pandemia, Bolsonaro fracassa na economia e tira 10 em inflação

A crítica irônica é do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (ex-DEM): “Governo Bolsonaro consegue sua primeira nota 10!!!”, tuitou Maia, após o anúncio, pelo IBGE, da inflação de 2021. Além de estourar a meta, a inflação fechou o ano passado em 10,06%, maior alta dos últimos seis anos.

A meta de inflação era de 3,75% em 2021, com tolerância até o máximo de 5,25%. Com isso, o poder de compra do brasileiro caiu assustadoramente em plena pandemia. Não adianta o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, recorrer ao economês para culpar fenômenos naturais e a economia mundial. Até porque a carestia maior está nos chamados preços administrados, como combustíveis e energia elétrica.

Com os reajustes nas bombas, a gasolina acumulou alta de 47,49% em 2021 e o etanol chegou a 62,23%. O custo da luz registrou alta de 21,21% com a crise hídrica. Na alimentação e bebidas, o café moído subiu 50,24% e o açúcar refinado teve elevação de 47,87%. Como advertem os economistas, a inflação mais alta requer juros também mais altos, afetando, em consequência, o crescimento econômico. Uma bola de neve.

Mais queda na popularidade

Tudo somado, além da pandemia, o governo Bolsonaro perde para a inflação também, cujo controle foi a maior conquista Plano Real. O efeito óbvio é mais queda de popularidade para um governo que não controla a economia nem cuida da saúde dos brasileiros.

Na área política, a movimentação é pela criação, ou recriação, da CPI da Covid no Senado, apesar de ter suas denúncias engavetadas, até agora, pelo Ministério Público Federal. A CPI expôs, pelo menos, a negligência, omissão e descaso do governo no combate à pandemia, obrigando-o por outro lado a recuar e a comprar as vacinas.

Um dos membros da CPI anterior, o senador Randolfe Rodrigues (Sustentabilidade-AP) anunciou que irá protocolar requerimento com esse objetivo. Segundo ele, a comissão investigaria as ações e omissões do Governo federal no enfrentamento à pandemia a partir de novembro de 2021. Entre os pontos levantados, estão o atraso e a insuficiência na vacinação infantil, a insuficiência de provisão de doses de reforço em 2022. E mais, os ataques de Bolsonaro (PL) aos técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que aprovaram a vacinação infantil.

Orion Teixeira

Posts Relacionados

Prefeitura rescinde com Itapemirim; 500 ônibus da China

A Prefeitura de São José dos Campos (SP) rompeu contrato de licitação vencida pela Viação…

4 horas atrás

Batata segurou a inflação na panela; cebola pressionou

Companhia Nacional de Abastecimento (Conab/Ministério da Agricultura) constatou que mercados atacadistas que analisa apresentaram quedas…

23 horas atrás

Vale fazia obra com licença ambiental vencida em 2011

A Vale S/A executava obras de engenharia no pier e ponte do Terminal da Ilha…

1 dia atrás

Governo de Minas perto do fim do ciclo de banqueiro; MGI

A MGI – Minas Gerais Participações S.A acompanhou com destaque a trajetória do Governo de…

2 dias atrás

Veto a RRF do Rio dá a Zema saída para recuar e evitar outra derrota

Em vez de problema, o veto ao plano de retorno do Rio de Janeiro ao…

3 dias atrás

Destruição da floresta chegou a 10.362 km² em 2021

A floresta amazônica viveu em 2021 o seu pior ano em uma década. De janeiro…

3 dias atrás

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!