Economia

Boeing injeta US$ 450 mi no eVTOL; 140 mi de voos/ano

Boeing Company injetou US$ 450 milhões (R$ 2,4 bilhões, no dia do anúncio) na startup Wisk Aero, desenvolvedora de táxi aéreo elétrico. A partir dessa nova carga de capital, portanto, traça perspectiva de, em 2027, atingir estágio de operação comercial em grande escala. Wisk adianta, então, corrida para contratar mais funcionários e “iniciar processo de fabricação”.

A aposta da Wisk é, ao final do prazo fixado, realizar 140 milhões de voos anuais. Isso envolveria, portanto, negócios em 20 grandes centros do mundo.

Wisk é uma joint venture que reúne a Boeing e a Kitty Hawk. A Kitty, do bilionário Larry Page, cofundador do Google, é uma empresa de táxi aéreo, enquanto a Wisk, por usa vez, desenvolvedora de aeronaves eVTOL (sigla em inglês para aeronave elétrica de decolagem e pouso vertical).

A notícia foi o destaque do Yahoo/Finanças, na segunda (24/01).

Boeing fez opção sem a Embraer

Desde a desistência da parceria com a Embraer, na aviação comercial, em abril 2020, a norte-americana seguiu mais agressiva em investimentos de novos negócios.

Boeing monta fábrica de drones militares na Austrália

Boeing e Etihad Airwys expandem aliança de sustentabilidade…

FAA ainda não certificou modelo da Boeing

O agente regulador da aviação nos Estados Unidos, a FAA – Administração Federal de Aviação, ainda não certificou esse modelo de aeronaves direcionadas para deslocamento de pessoas.

Os consultores nesse nicho de mobilidade urbana medem o prazo de espera em, pelo menos, cinco anos. Mas, a licença envolve ainda outros órgãos e o principal foco é a segurança dos passageiros, destaca material liberado pelo Yahoo/Finanças.

Não é carro voador

A notícia observa que eVTOL não deve ser confundido com “carro voador”. Mas, os carros que voam avançam etapas. O EVTOL, portanto, seria da categoria dos “pequenos helicópteros”. Todavia, com dois diferenciais substanciais na comparação com aparelhos existentes: não barulhentos nem poluidores.

Carro voador é aprovado em testes e recebe certificação…

A investida da Boeing admite que alguns protótipos de eVTOL de startups concorrentes podem “transportar um punhado de pessoas”. Entretanto, seriam aparelhos para voos de curta distância.

Acordos para testes

Apesar do prazo mínimo de cinco anos, a investida da Boeing avança em acordos para entregas futuras a empresas do setor de voos turísticos de helicópteros. Mas, em áreas governamentais definiu, por exemplo, com a Nova Zelândia a realização testes do seu eVTOL Cora.

Sem piloto a bordo

A empresa adianta que pretende atender chamados por aplicativo e voar com piloto automático – navegação sem comando humano a bordo.

da Redação

Posts Relacionados

John Deere supera escassez de chips e lucra 17% a mais

A Deere & Company, dona da marca John Deere e líder global em máquinas agrícolas,…

19 minutos atrás

Sem Eletrobras, Era Vargas fica pela Petrobras e BNDES

Quando o Governo privatizar a Eletrobras, das grandes empresas setoriais idealizadas e criadas nos Governo…

1 dia atrás

Artigo: Onde há Defensoria Pública, há justiça e cidadania

Fernando Martelleto* O dia 19 de maio foi oficialmente instituído como o Dia Nacional da…

1 dia atrás

AlphaVille continua no prejuízo e vai esfolar seus clientes

Uma das principais grifes de empreendimentos imobiliários de alto padrão país, a holding AlphaVille S.A.…

3 dias atrás

Sunew renova agonia no BNDES; liquidação em pauta

A insustentabilidade da Sunew Filmes Fotovoltaicos Impressos S/A, fábrica de filmes para geração de energia…

4 dias atrás

Viana admite sair da disputa após previsão de 2º turno em Minas

O senador Carlos Viana (PL) colocou a própria candidatura a governador no telhado. Ou colocaram…

4 dias atrás

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!