Economia

China encara bolha; minério da Vale abaixo de US$ 100

Crise na China antecipou previsão, semana passada, do banco suíço UBS. A cotação do minério de ferro sucumbiu, nesta segunda (20/09), abaixo da linha dos US$ 100 a tonelada, para US$ 92,98, no porto chinês de Qingdao. Conforme destaca o Valor Econômico eletrônico, é, portanto, a primeira vez em a commodity tem preço tão baixo desde junho de 2020.

No Brasil, primeira consequência (sempre previsível): queda na Bolsa de Valores. Ás 13h24, principal índice da bolsa B3 (Brasil. Bolsa. Balcão), o Ibovespa, exibia queda de 3,17%. Ações da Vale mostravam retração de 4,84%.

Mesmo tendo errado no tempo, a análise dos profissionais de mercado investidor do UBS acertou, no entretanto, na causa: retração na demanda pelas siderúrgicas do país asiático. Relembra AQUI.

O diário paulista de economia observa que o minério (concentrado em 62% de teor de ferro) teve cotação recorde em maio: próxima de US$ 240 a tonelada. Leia MAIS.

China tenta evitar quebradeira imobiliária

O risco da bolha no setor imobiliário, afeta, portanto, diretamente a demanda da construção por volumes de açõs. A segunda maior incorporadora do país, a China Evergrand, acendeu a luz amarela: falta tutano de caixa para segurar a liquidez. O Governo de Pequim, portanto, tenta escorar a liquidez da empresa. Entre as medidas, então, oferece repasse dos projetos inacabados para terceiros, em permuta com ativos no estoque de terrenos.

Ainda entre medidas pontuais, por exemplo, na sexta (17/09), a administração chinesa injetou US$ 15 bilhões no mercado financeiro. Mas, não foi suficiente, pois, Evergrand é risco proporcional ao seu passivo. Nesse aspecto, o portal Broadcast lembra, então, que a chinesa tem passivo superior a US$ 300 bilhões.

Fantasma do suprime, nos EUA

A situação faz cair das paredes das salas dos operadores de mercado a fotografia do fantasma da crise do suprimes (bolha imobiliária) nos Estados Unidos. A falência, em setembro de 2008, do Lehman Brothers, um dos maiores bancos de investimentos dos EUA, que virou símbolo da crise.

Covid-19 volta afetar operações portuárias

Mas, a China divide aquela atenção com problemas antigos: produção das siderúrgicas e novas medidas sanitárias urgentes contra ressurgimentos de focos preocupantes Covid-19. Desde o mês passado, por exemplo, o vírus afeta operações na logística portuária.

Importância de Qingdao

O porto é um dos mais modernos do mundo. Na descrição para o terminal, na província de Shandong, costa do Mar da China, o Qingdao Port Group e a DP World, construtores, (2016) destacaram a característica de um porto com sistemas operacionais automatizados:

  • – guindaste automático de cais (AQC);
  • – veículos autoguiados (AGV);
  • – pórticos automáticos montados sobre trilhos (ARMG).
Nairo Alméri

Posts Relacionados

Cemig desidrata carteira de micos; Renova vende ativos

Companhia Energética de Minas Gerais S.A. (CEMIG) deu peso ao comunicado da coligada Renova Energia…

4 horas atrás

Chacina de Unaí completa 18 anos de impunidade

O site recebeu a seguinte manifestação do ex-delegado regional do Trabalho de Minas e atualmente…

4 horas atrás

Embraer enxuga na Aviação Comercial; ainda efeito Boeing

A Embraer S.A. anunciou na quarta (26/01) a conclusão na “reintegração” dos negócios da Aviação…

21 horas atrás

Boeing injeta US$ 450 mi no eVTOL; 140 mi de voos/ano

Boeing Company injetou US$ 450 milhões (R$ 2,4 bilhões, no dia do anúncio) na startup…

1 dia atrás

OCDE não tolera ataques de Bolsonaro à democracia

O presidente Jair Bolsonaro deverá segurar a corda do tema Organização para a Cooperação e…

2 dias atrás

Prefeitura de SP condenada por erro médico em hospital

Justiça de São Paulo condenou a Autarquia Hospital Municipal Regional do Tatuapé (AHM), da Prefeitura…

3 dias atrás

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!