Coronavírus

Exército tem R$ 10 mi do Cidadania; gasto não essencial

Ministério da Cidadania concluirá, neste mês, repasse R$ 10,3 milhões para o Comando do Exército (Ministério da Defesa) no período de um quadrimestre. A Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento (SNEAR), do Ministério da Cidadania, faz o repasse para o Centro de Capacitação de Educação Física do Exército. O CCFEx fica no site da Fortaleza São João, no Rio de Janeiro (RJ).

O expediente de remessas entre ministérios, porém, fragiliza o ministro da Economia, Paulo Guedes, nas tentativas de controle dos gastos federais. A operação tapa-buracos no Orçamento da União, então, não avança. As despesas não essenciais, portanto, desafiam o cenário de crise financeira.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

O Extrato do Termo Aditivo à Execução Orçamentária Nº 01/2019, referente ao Processo 58021.000025/2019-63, foi tornado publico ontem (12/04). “OBJETO: O presente termo aditivo tem por objeto prorrogar a vigência do Termo de Execução Descentralizada nº 01/2019 até o dia 30 de abril de 2021, bem como integrar novo Plano de Trabalho, acrescendo ao instrumento R$ 10.300.000,00 (dez milhões trezentos mil reais), para o custeio de metas e produtos a serem executados nos meses de janeiro a abril de 2021”. A Secretaria Executiva do MC fez a divulgação.

Bem menos no apoio a refugiados

O Ministério da Cidadania ganhou uma torneira sem-fim das leis emergenciais baixadas em março de 2020. Mas, dentro das ações para as frentes de contenção da pandemia do novo coronavírus (Covi-19). Todavia, o dinheiro curto no ministério.

MC liberou, por exemplo, R$ 5,376 milhões, em apoio a municípios acolheram 2.140 refugiados da Venezuela. Foram beneficiados sete municípios e os governos do Estado do Amazonas e Distrito Federal. Veja AQUI.

Ou seja, receberam metade do enviado ao CEFEx.

Desvios na intervenção no RJ

O Comando do Exército é citado em reprovações do Tribunal de Contas da União (TCU) em despesas fora das finalidades. O caso de maior alcance, porém, diz respeito aos gastos durante a intervenção militar na Segurança do Rio, sob o comando do general Braga Netto. O general era o então ministro-chefe da Casa Civil e passou a chefiar o Ministério da Defesa. Portanto, cresceu em grau de relevância no Governo Bolsonaro – capitão da reserva.

A auditoria realizada pelo TCU apontou que, em uma prestação de contas, os “desvios” respondiam por 80% (R$ 93 milhões) das despesas apresentadas. Mas, houve o inesperado: compra camarão com a verba do custeio da intervenção com finalidade melhorar a segurança dos cidadãos. Relembre AQUI notícia da Piauí.

Nairo Alméri

Ver Comentários

Posts Relacionados

Ensaio da Ufla define sabor e aroma do café

A partir do isolamento de microrganismos presentes nos solos das lavouras de café, pesquisadores interferiram…

2 dias atrás

Lula precisa botar pressão na fiscalização da grana

As promessas de recursos, quase sem limites, para socorrer ao Rio Grande do Su criam…

3 dias atrás

Zema quer economizar R$ 70 milhões nas costas dos militares

Feitas as contas, R$ 70 milhões por mês é o tamanho do corte que Zema…

3 dias atrás

Eterno olho gordo do PT bota pressão na Petrobras

A maior empresa do país continua, neste 2024, pagando caro pelas cobiças, ingerências e desmandos…

3 dias atrás

Novo cotidiano: botar pressão contra STF

Nessa onda, botar pressão contra o STF, apareceu até o pastor Silas Malafaia entrou em…

4 dias atrás

Grêmio ataca pouco caso da CBF para o tamanho da tragédia

O Grêmio, de Porto Alegre (RS), criticou a inarredável postura de insensibilidade da Confederação Brasileira…

6 dias atrás

Thank you for trying AMP!

We have no ad to show to you!