BTG e Safra dão 57% ao PRJ da Americanas

  • por | publicado: 18/12/2023 - 11:17

Acionistas de referência terão de aportar do bolso R$ 12 bilhões. Imagem ilustrativa de interior de loja que a Americanas montou na Cidade do Rock, no Rock in Rio 2022 - Crédito: Publicidade/Americanas

A adesão ao plano de recuperação judicial (PRJ) pelo banco BTG Pactual e Safra, comunicada nesta segunda (18/12), turbinou o sinal de luz verde da Americanas S.A. para assembleia geral de credores (AGC), amanhã (19/12). Na semana passada, do Itaú Unibanco, maior grupo financeiro do país, tinha assumido mesma postura nas negociações para a crise financeira da rede de varejo.

Os acionistas de referência (controladores), Jorge Paulo Lemann, Marcel Teles e Carlos Alberto Sicupira jogam, portanto, últimas fichas, pelo fim do calvário do Grupo Americanas com o PRJ ainda em 2023.

No comunicado (veja íntegra) à Bolsa de Valores B3, Americanas S.A. assegura que conta, portanto, com adesão de credores que representam 57% das dívidas passiveis de recuperação. Paulo Lemann e companhia devem estar otimistas com o provável sucesso no encaminhamento de acordo para um rombo (por baixo) de R$ 42 bilhões. Destes, R$ 37,3 bilhões em dívidas financeiras, ou seja, com bancos.

Americanas comunica apoio do Itaú e outros

Mas, se surgir algum impasse, o fardo vai para segunda chamada, em 22 de janeiro de 2024. Ou seja, para o pós-primeiro aniversário (11 de janeiro) do escândalo bilionário, aberto pela então cúpula executiva do próprio Grupo Americanas.

Controladores tinham caixa para bancar Americanas

A denúncia de “inconsistência contábil”, no balanço do 3T22, fez um estrago em velocidade cósmica. O que seria buraco de R$ 20 bilhões, pela manhã, fechou expediente em R$ 40 bilhões. Mas, fato é que controladores e os próprios executivos faziam sinal fumaça para algo de errado na última semana de 2022, como mostrou ALÉM DO FATO, em 26/12/22.

Paulo Lemann e seus parceiros, em caso de sucesso amanhã, passam a se ocupar, então, com uma engenharia financeira consistente. Nela entram, por exemplo, a capitalização da Americanas. A parte deles, dentro do PRJ, será tirar dos próprios bolsos R$ 12 bilhões. Quando surgiu o escândalo, a fortuna do trio cobria fácil 100% do rombo.

O trio forma parceria de sucesso desde a compra da Brahma e criação da global AmBev (atual AB InBev – cervejarias Anheuser-Busch InBev).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments