Fundo do Itaú faz análise positiva para debenturistas

No leilão das concessões de água e esgotos, no Rio de Janeiro, vencedores dos lotes da CEDAE assumem compromissos de capital da ordem de R$ 54 bilhões - Foto: Divulgação/Alerj

Os investidores debenturistas tiveram, em abril, bom indicador de negócios futuros, avalia fundo administrado pelo Itaú Unibanco (ver abaixo). Mas, os destaques foram os leilões de concessões federais e estaduais (Rio de Janeiro e São Paulo) em infraestruturas. No balanço dessas vendas, portanto, as perspectivas de investimentos são de R$ 46,310 bilhões. Além disso, empresas vencedoras desembolsarão mais R$ 31,716 bilhões pelas outorgas.

As empresas, certamente, captarão os recursos. Nos últimos anos, a opção firme tem sido via emissão de debêntures simples (não conversíveis em ações). Veja AQUI: R$ 31 bilhões em emissões de debêntures no 1T21.

O relatório “Comentário do gestor”, de maio, do IFRA11, do FIC FIDC Infraestrutura (Fundo de Investimentos de Cotas), do Itaú Asset Managment, apresenta análise otimista, claro. “Todos estes projetos (dos leilões) apresentam valores muito significativos de investimentos e outorga; suas soluções de financiamento serão bastante criativas e certamente passarão por emissões de debêntures de infraestrutura, o que representará no médio prazo oportunidades interessantes de aquisição de novos papéis…” (sic).

Outorgas da Cedae rendem R$ 27 bi

A desestatização de áreas da Cia. Estadual de Água e Esgoto (Cedae), do Governo do Estado do Rio de Janeiro, foi, porém, o destaque da análise. Dividida em três blocos, abrangem 11 milhões de habitantes, ou seja, 72% da população do Estado. Estão, assim, distribuídos por 29 municípios. Os vencedores assumem, portanto, obrigações com abastecimento de água e serviços de coleta e tratamento de esgotos. Porém, com compromisso de, no prazo de até 12, universalizar as três etapas dos serviços.

O Governo do RJ e prefeituras dividirão R$ 27 bilhões pelas outorgas das concessões. Mas, as empresas se comprometem também com investimentos de outros R$ 27 bilhões. Além da Cedae, o Fundo do Itaú destaca:

  • Rodovias – 850 km entre Goiás e Tocantins, R$ 320 milhões pela outorga e R$ 7,8 bilhões de investimentos;
  • Aeroportos – 22 aeroportos (três blocos), R$ 3,3 bilhões e R$ 6,1 bilhões;
  • Mobilidade urbana – Duas linhas do metrô da CPTM (São Paulo), R$ 980 milhões e R$ 3,2 bilhões;
  • Ferrovia – Fiol, na Bahia, (sem cobrança de outorga) R$ 1,6 bilhão; e,
  • Portos – Pelotas (RS) e Itaqui (MA), R$ 216 milhões e R$ 610 milhões.
Linhas leiloadas pela CPTM receberão R$ 3,2 bilhões – Foto (Arquivo): Edson Lopes Jr/Divulgação Governo de São Paulo

MATÉRIA RELACIONADA:

Baixou em Cemig e Furnas

Mas, o Fundo do Itaú cita no relatório, nas operações de abril, a “redução de exposição nos papéis de Furnas (Centrais Elétricas) e Cemig (Distribuição)”. O dinheiro levantado nas vendas foi, de imediato, distribuído por “três alocações importantes para o fundo”. Em outras palavras, portanto, as estatais Furnas (Grupo Eletrobras) e Cemig (Governo de Minas) perderam certa relevância para o IFRA11.

Foi para teles e PCH

O dinheiro foi, então, para empresas de telecomunicações e uma PCH: America Net (R$ 16 milhões), Brisanet (R$ 12 milhões) e PCH BV II (R$ 70 milhões). As teles, respectivamente, estão em São Paulo e Mato Grosso do Sul. A PCH é do Paraná.

Debêntures incentivadas

O IFRA11 do Itaú foi iniciado em janeiro de 2020. A carteira exibe patrimônio líquido (volume financeiro) de R$ 987,6 milhões. Destes, R$ 933,2 milhões em debêntures incentivadas. Ou seja, os créditos privados participam com 94,5% do volume. O restante, portanto, investimentos públicos – Notas do Tesouro Nacional (NTN) e Caixa.

Rodovias e energia elétrica

Os recursos do Fundo estão concentrados nos setores de concessões rodoviárias (45%) e de energia elétrica (37%).

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.