La Nuestra na final: a Argentina de Lionel Scaloni La Nuestra na final: a Argentina de Lionel Scaloni

La Nuestra na final: a Argentina de Lionel Scaloni

  • por | publicado: 18/12/2022 - 01:14 | atualizado: 20/12/2022 - 17:54

Oito anos depois, a Argentina volta à final da Copa ao melhor estilo “La Nuestra”. Foto: reprodução

Clarissa Barcala, especial para o Além do Fato

Enquanto a espetacular Copa de Lionel Messi lembra os melhores momentos de Diego Maradona com a Alviceleste , a Copa da finalista Seleção Argentina lembra os melhores momentos de La Nuestra . Depois de duas décadas traumáticas, com jejum de títulos e várias finais perdidas, a Albiceleste volta à decisão de uma Copa do Mundo carregando um status que não tinha desde, pelo menos, 2002.

O período pós-Copa América de 1993 foi conturbado para os irmãos . A Seleção Argentina teve momentos diferentes, desde um favoritismo incontestável na Copa de 2002 até períodos com um futebol questionável, como no ciclo caótico da Copa de 2010. No entanto, parecia que nada disso importava, já que a final era sempre o mesmo. Um vexame em 2002, 4 finais de Copa América perdidas, goleada sofrida para o Brasil na final da Copa das Confederações e duas derrotas traumáticas para um conhecido rival: 4 a 0 nas quartas do Mundial de 2010 e 1 a 0 na final de 2014 contra a Alemanha. A cada vítima, mais estigmatizada a geração de Lionel Messi ficou.

Alívio veio na Copa América

Sem dúvidas, a conquista da Copa América de 2021 tirou um peso imenso das costas dos jogadores, especialmente do camisa 10. Apesar do esforço invejável da CONMEBOL em desvalorizar o campeonato, o título acabou tendo uma importância imensa para os argentinos pois, embora a Copa América não seja mais tão relevante, foi mais que o suficiente para encerrar o jejum de títulos que completava quase 30 anos. O troféu encheu os jogadores de confiança e os eximiu de uma pressão que assolava as gerações anteriores. Isso acabou dando à Albiceleste o gás necessário para fechar o ciclo da Copa de 2022 com chave de ouro e mandar o tempo para o Catar com confiança máxima. Nem a derrota para a Arábia Saudita na estreia do Mundial foi capaz de abalar o sentimento dos argentinos.

No entanto, há algo além de um espírito vencedor e uma confiança alta na finalista Argentina. É um tempo que é muito mais do que “Messi e seus 10 guerreiros”, expressão que vem sendo amplamente usada para descrever o jeito de jogar dessa Seleção. Fora das 4 linhas, Lionel Scaloni trabalha para resgatar uma velha identidade do futebol argentino, que caracterizou os melhores momentos da Alviceleste e talvez seja o que melhor defina o futebol sul-americano. Porque mais que Scaloni, mais que os 10 guerreiros, mais que o time confiante, mais até que Messi, quem chega à final é La Nuestra . Uma seleção ofensiva, de ataque funcional, recheada de talentos e, acima de tudo, autoral . Quem chega à final é uma Argentina devidamente sul-americana.

Afinal, o que é a tal La Nuestra?

“Como o tango, o futebol floresceu nas favelas. Nas canchas de Montevidéu e Buenos Aires, nascia um estilo. Uma maneira própria de jogar o futebol vai abrindo caminho, enquanto uma maneira própria de dançar se afirmava nos pátios milongueiros. Os bailarinos desenhavam filigranas, fazendo floreios num tijolo só, e os futebolistas inventavam sua linguagem no espaço onde a bola não era chutada, mas retida e possuída, como se os pés fossem mãos travando o couro. E nos pés dos primeiros virtuosos nativos nasceu o toque: a bola toca como se fosse violão, fonte de música.”

As palavras de Eduardo Galeano são provavelmente as mais felizes ao sintetizar o futebol sul-americano. As culturas futebolísticas de Argentina, Uruguai e Brasil resistiram a uma primeira influência da escola inglesa (algo que, talvez pela proximidade, a Espanha não conseguiu fazer, por exemplo) e se desenvolveram por si só seu jeito de jogar, baseado nas características do seu povo . Assim, surgiu um futebol inventivo, artístico e leve, que reverenciava o tango, o samba, a cultura sul-americana. Desse modo, quando a Europa voltou a se interessar pelo futebol da América do Sul (principalmente os húngaros, que deram uma atenção especial ao Brasil), os sul-americanos já tinham uma escola futebolística forte o suficiente para não ser moldada pelos europeus. O que acabou sendo um encontro amistoso,

A Escola Danubiana foi praticamente fundada por Jimmy Hogan. O inglês de pais irlandeses foi um jogador mediano que logo se tornou treinador. Por crescer e jogar na Inglaterra, Hogan foi formado na escola inglesa, que se lembrava muito o Rugby: era um jogo físico, de muita condução de bola e pouca interação, e que privilegiava muito as posições fixas dos jogadores. No entanto, bastou uma passagem rápida na Escócia para que Hogan se transformasse completamente. Em terras escocesas, ele viu um futebol de muitos passes, onde os jogadores tinham total liberdade para abandonarem suas posições e, assim, podiam interagir. Maravilhado, Hogan levou esse futebol para a Europa Central e praticamente fundou as culturas futebolísticas da Áustria, Hungria e Itália. Assim, surgiu a Escola Danubiana, que faz referência ao Rio Danúbio.

Ao chegar na América do Sul entre os anos 30 e 50, a Escola Danubiana viu um casamento perfeito. Seu estilo que privilegiava os passes (“onde a bola não era chutada, mas retida e possuída”) e que dava liberdade aos jogadores para se aproximarem de modo que pudessem interagir mais caíram como uma luva no futebol sul-americano. Essa influência acabou originando alguns dos grandes tempos da história da América do Sul, como o River Plate dos anos 40 e 50, o Brasil de 58/62/70, o Santos de Pelé e, mais tarde, a Argentina de 78 e o Brasil de 82. Esse estilo acabou ganhando vários nomes, como jogo de aproximação, toque de bola, jogo de mobilidade ou ataque funcional. Na Argentina, foi chamado de La Nuestra.

Argentina de Lionel Scaloni

A Copa de 2018 foi um capítulo para esquecer na mente dos argentinos. Os problemas ficaram no ciclo, onde a AFA teve sérios problemas para definir um nome para comandar a Albiceleste . Começou com Tata Martino, passou por Edgardo Bauza e terminou com Jorge Sampaoli, que acabou sendo o mais estigmatizado dos 3, provavelmente por ter sido o que encerrou o período ao comandar a Argentina em uma campanha fraca na Copa da Rússia.

Acabou que Sampaoli foi injustamente denominado como a causa de todos os problemas da Argentina durante o ciclo para a Copa de 2018, mas ele tem uma parcela de culpa. Sampaoli é um dos representantes da escola que Bielsa montou na Argentina, muito baseado no Jogo de Posição e no controle dos espaços a partir da bola, e é um grande adepto de um futebol mais posicional. Ao assumir a Alviceleste em 2017, ele não teve tempo para construir suas ideias e o tempo simplesmente não rendeu com ele. Talvez a culpa maior fosse da AFA, que escolheu um treinador de ideias complexas e que enfrentou tempo para ser um fora de incêndio, mas, no final, o estilo de jogo de Sampaoli não casou muito com a Argentina.

Seu auxiliar, Lionel Scaloni, foi o escolhido para comandar a Alviceleste após a Copa de 2018. Talvez a AFA buscasse continuidade tática, pois pensava que o caminho a ser seguido era aquele mesmo, mas que não poderia ser sob Sampaoli, já que a relação entre o técnico e o elenco já estava em pé de guerra. No entanto, Scaloni deu uma volta de 180º e mudou completamente o jeito da Argentina jogar. Ele olhou além do “bielsismo” que vinha reinando no país através de Sampaoli, Beccacece, Pochettino, Gallardo e o próprio Bielsa. Olhou além até do “bilardismo” que deu à Argentina o título de 86, mas que apresentou um futebol pragmático e fugitivo europeu. Scaloni olhou para La Nuestra .

Estrutura da Argentina na saída de bola

A Argentina sai jogando a partir de seu 4–4–2, sem grandes mudanças na estrutura. Emiliano Martínez, o goleiro, normalmente não participa tanto dessa fase da construção ofensiva, e cabe aos zagueiros Otamendi e Romero iniciar a saída. À frente deles, Paredes se posiciona como o primeiro volante e é o responsável por fazer a bola progredir, se portando como o “primeiro passe”. Assim, o jogador da Juventus é o principal articulador do meio de campo argentino nessa fase da jogada. Os laterais Tagliafico e Molina abrem e avançam, ficando mais avançados que Paredes, e não participam tanto da saída de bola porque a Argentina prefere começar as suas jogadas por dentro. Assim, o papel deles é mais ser um passe inicial, que serve para desafogar a marcação adversária, do que armadores como Paredes.

À frente de Paredes, Enzo e De Paul completam um trio de volantes. Sempre que jogarem, eles são a primeira opção de um passe mais vertical, que avança mais metros. Se Paredes é o primeiro articulador, Enzo e De Paul (mas principalmente Enzo) replicam o papel do compatriota em uma zona mais controlada, e são os responsáveis ​​por entregar a bola aos jogadores de ataque. O quarto meio-campista, Alexis Mac Allister, não se porta como um volante, mas sim como um meio mais avançado, logo atrás de Messi e Julian Álvarez. Desse modo, o 4–4–2 inicial da Argentina acaba se tornando um clássico 4–3–1–2.

4–3–1–2 da Argentina na saída de bola. Os zagueiros iniciam o jogo e os laterais avançam, se alinhando a Enzo e De Paul, os volantes mais avançados. Paredes fica mais recuado, sendo a opção de primeiro passe. Mais à frente, Mac Allister, Julian Álvarez e Messi.

Avançando em campo: jogadores inspiradores e ocupação de espaços

À medida que a Argentina avança em campo, a estrutura muda radicalmente. Os laterais, que se mantiveram próximos da jogada na saída de bola, avançam bastante quando a bola percorre mais metros e abrem bastante, ficando praticamente colados à linha lateral. Assim, eles passam a se portar como pontas, que dão bastante amplitude ao tempo ao abrir o campo.

A estrutura do trio de volantes à frente dos zagueiros se mantém. Paredes fica logo atrás de Enzo e De Paul, e os três se compactam ainda mais. Com a bola mais avançada, a função de distribuir e organizar o jogo fica ainda melhor dividida entre eles, mas ainda com ênfase em Paredes e Enzo, que são melhores com a bola no pé que De Paul.

Mudança de posicionamento

O trio de ataque muda seu posicionamento: ao invés de ter Mac Allister atrás de Álvarez e Messi, Mac Allister e Messi ficam atrás de Álvarez. Esse movimento é essencial para que a Argentina consiga superioridade nos meios-espaços ou meio-espaços: a zona entre o centro e o lado do campo, muito bem determinado como o espaço entre zagueiro e lateral em tempos que defendem a partir de uma linha de 4 Messi se posiciona como um meia-atacante pela direita, ocupando o espaço entre zagueiro esquerdo e lateral-esquerdo. Mac Allister, por sua vez, atua como um meia-atacante pela esquerda, atacando o espaço entre zagueiro direito e lateral-direito. Julian Álvarez se torna o único centroavante, fixando os zagueiros. Assim, a Argentina se alinha em um 2–3–5 para seguir em campo.

Estrutura em 2–3–5 da Argentina para avançar em campo. Dupla de zagueiros iniciam a jogar com os três volantes à frente. Molina e Tagliafico, os laterais, abrem bastante o campo. Por dentro, Messi, Julian Álvarez e Mac Allister.

Mais uma vez, a Argentina avança em 2–3–5. Mac Allister troca de posição com Enzo Fernández. Assim, Mac Allister compõe a linha dos volantes enquanto Enzo ataca o espaço entre zagueiro e lateral-direito. Álvarez fixa os zagueiros e Messi ataca o espaço entre zagueiro e lateral-esquerdo. Tagliafico e Molina abrem o campo.

Essa é a fase mais posicional do jogo da Argentina, onde Scaloni mostra seu maior lado “sampaolista”. A Albiceleste avançando em campo através da ocupação de espaços pré-determinados: Molina e Tagliafico ficam bem abertos no campo, com os três volantes na base da jogada, Álvarez fixando os zagueiros e Messi e Mac Allister atacando os “meio-espaços”. Como visto na última imagem, os jogadores até trocam de posição, mas a estrutura deve ser mantida: 2 jogadores abrindo o campo, 3 jogadores iniciando o jogo por dentro, 2 jogadores atacando os “meio-espaços” e 1 jogador fixando os zagueiros adversários . Assim, a Argentina começa a atacar seu adversário se organizando a partir dos espaços, valorizando a posição dos jogadores.

No entanto, à medida que a progressão avança, ela naturalmente se desenvolve em alguma faixa do campo: seja pela esquerda, por dentro ou pela direita. Quando a Argentina tem sucesso em seguir em campo, Scaloni vai gradativamente dando mais liberdade aos seus jogadores, que começam a se compactar mais onde sai a jogar. Assim, a estrutura posicional de 2–3–5 começa a se desfazer lentamente.

Estrutura em 2–3–5 começa a mudar à medida que o tempo avança em campo: ainda é possível ver as posições pré-definidas, mas é clara a compactação pelo lado esquerdo, com Messi e Molina mais por fora da jogada.

Ocupando o campo de ataque: La Nuestra 2.0

Já rondando a terceira final, a Argentina abandonou de vez as noções posicionais que usávamos para seguir em campo e parte para um exemplo clássico de ataque funcional. Aqui, os jogadores se aglomeram onde sai a jogada (normalmente no lado esquerdo), deixando apenas um ou dois jogadores mais por fora do bloco.

Enzo e Paredes são os dois volantes da base da jogada, mas com papéis diferentes. Paredes continua como o mais recuado, enquanto Enzo ganha total liberdade para se movimentar e seguir pelo lado esquerdo. De Paul, o terceiro volante, fica mais pela direita, fora da zona da bola, mas não muito distante. Assim, ele se mantém como uma opção de passe mais central, mas também se prepara para atacar a ponta-direita se necessário.

Mac Allister também ganha liberdade nessa fase da jogada e normalmente divide a faixa esquerda com Enzo Fernández: ambos circulam bastante pelo setor, além de contar com a companhia do lateral Tagliafico. Por ser um grande construtor, Tagliafico sempre se posiciona próximo da jogada, se apresentando para uma ultrapassagem ou diagonal.

Camisa 10 primoroso

Messi ganha liberdade total. Ele pode se refrear fora da zona da bola para definir a jogada em poucos toques, mas normalmente procura a origem da jogada para sempre participar e tocar o máximo de vezes na bola. A Copa do camisa 10 é primorosa: além de seus 5 gols e 3 assistências, Messi toca em média 72 vezes na bola a cada jogo, criou 6 grandes chances ao longo do torneio, deu 18 passes decisivos e acertou 15 dribles, 60% do que tentou. Quando a bola chega no ataque, Messi assume a responsabilidade total e vira de vez o grande armador do tempo.

Com a bola já rondando a terceira final, a Argentina abandona as posições pré-definidas e se estrutura em um ataque funcional. O time concentra 6 dos 8 jogadores de meio para frente no setor da bola; apenas De Paul e Molina (não aparece na imagem) ficam por fora.

Lance segue e compactação aumenta: agora, Otamendi avança e Paredes faz a cobertura. Observe a proximidade de Otamendi, Enzo, Tagliafico, Julian Álvarez, Mac Allister e Messi. De Paul, mesmo mais longe da bola, se posiciona no corredor central. Apenas Molina fica mais aberto.

Outro lance: jogadas se desenrolam pela esquerda e Argentina concentra seus jogadores por lá. Estrutura funcional a partir do 4–3–1–2: trio de volantes na base da jogada, Mac Allister mais avançado e Julian Álvarez e Messi mais à frente. Molina é o único jogador fora da zona da bola.

Desse modo, a Argentina construiu um “lado forte” e um “lado fraco”: a faixa esquerda do campo, que concentra a maioria dos jogadores de ataque, é o “lado forte”. A faixa direita, por sua vez, é onde há menos jogadores argentinos (normalmente De Paul e Molina, quando não é apenas Molina), é o “lado fraco”. Assim, a Alviceleste pode tanto construir suas jogadas pelo lado forte quanto finalizá-las pelo lado fraco.

Criando superioridade no “lado forte”

A principal arma ofensiva da Argentina é o uso do “lado forte” para desorientar a marcação adversária através de toques curtos, dribles e desmarques. Ao contrário de muitas vezes que usam o ataque funcional que procuram concentrar a jogada no “lado forte” e finalizá-la no “lado fraco”, a Argentina prefere construir toda a jogada de ataque de um lado só, sem inverter a bola para atacar um lado mais desprotegido.

Para isso, a Alviceleste mostra sua principal arma: sua capacidade monstruosa de jogar em espaços curtos. Ao juntar muitos jogadores em uma faixa reduzida do campo, o tempo cria muitas linhas de passe, dificultando muito a marcação adversária. Além disso, os jogadores argentinos têm muita liberdade para se movimentar e praticar o famoso toco y me voy argentino: em uma linguagem menos coloquial, a Argentina ataca através de passes curtos e desmarques que se originaram da movimentação intensa de seus jogadores de ataque.

A Argentina ocupa o campo ofensivo a partir de seu ataque funcional. 3 volantes mais recuados, com De Paul de fora da zona da bola e Enzo e Paredes na base da jogada. Enzo, Messi e Tagliafico muito próximos. Álvarez fixa os zagueiros.

Enzo recebe uma bola pela esquerda, passa para Tagliafico e já se desmarca para receber mais à frente.

Enzo recebe uma bola de volta na ponta-esquerda, atraindo o lateral-direito da Croácia (em preto). Observe como o movimento que o lateral faz para marcar Enzo quebra a linha defensiva croata, abrindo espaço para Mac Allister (em vermelho) atacar a área.

Outro lance: Messi recebe a bola por dentro e os jogadores se aproximam dele. Assim, Messi tem mais opções de passe e não fica isolado contra os marcadores croatas.

Messi arranca com a bola e atrai a marcação do zagueiro Gvandiol, abrindo espaço para que Enzo Fernández ataque a entrada da área.

Messi passa para Enzo Fernández, que ataca a entrada da área a partir do espaço criado posteriormente. Com esse passe, Gvardiol desviou sua atenção rapidamente para Enzo Fernández. O espaço criado na entrada da área é o suficiente para que Enzo consiga dominar a bola e devolvê-la a Messi, que conseguiu se desmarcar e atacar a área livre porque Gvadiol saiu do camisa 10 para marcar Enzo, abrindo um espaço para que o passe entrasse.

Observe a capacidade que a Argentina tem de manipular os marcadores adversários através de jogadas curtas. Com muitos jogadores de ataque concentrados em um só lugar, os zagueiros acabam ficando desnorteados, sem saber quem marcar, quando marcar e como marcar. Os argentinos, por sua vez, têm uma facilidade impressionante de trabalhar em espaços curtos, com passes rápidos, desmarques precisos e arrancadas geniais.

Atrair para atacar pelo “lado fraco”

Apesar de preferir finalizar as jogadas pelo “lado forte”, a Argentina também usa uma das mais conhecidas armas do ataque funcional: chamar de um lado para acelerar de outro. Assim, o tempo aproveita que o adversário se moveu para um lado do campo para marcar o “lado forte” para, em uma inversão, atacar o “lado fraco”.

Argentina concentra a jogada pelo lado esquerdo, arrastando o bloco de marcação da Croácia para lá. Observe o espaço que isso gera na ponta-direita para que Molina (em azul) possa atacar em uma inversão.

Outro lance: um raro momento de Messi atacando o lado fraco: Argentina ataca pelo lado direito com 6 jogadores. Messi percebe o movimento dos defensores mexicanos se concentrando por lá e rapidamente abandonando a zona da bola.

Movimento de Messi para atacar o lado vazio dá ao camisa 10 o tempo necessário para receber com liberdade e armar o chute, fazendo um golaço e abrindo o placar.

A melhor Argentina em muitos, muitos anos

A Argentina pode não ser a grande favorita para uma final porque a França também tem um grande tempo que faz uma grande Copa, mas não chega como o azarão como na final de 2014. O torneio da Albiceleste é mais que sólido, é de um autêntico candidato ao tão sonhado tricampeonato.

O time de Lionel Scaloni é mais que uma equipe confiante ou que 10 guerreiros que lutam por 1 gênio: é um time rico taticamente, que resgatou as raízes do futebol argentino e sul-americano e que leva à final da Copa do Mundo do Qatar a essência de La Nuestra , o estilo que consagrou a Argentina no futebol mundial e que, por vários motivos, acabou ficando distante da Seleção Alviceleste nos últimos anos. É um tempo que gosta da bola e que sempre sabe o que fazer com ela, que tem alguns conceitos posicionais mas que sabe a hora certa de dar mais liberdade aos seus jogadores e que é monstruoso jogando em espaços curtos. É um tempo que tem um Messi inspirado, mas que também tem um meio de campo extremamente técnico e uma organização ofensiva muito afiada.

A última vez que a Argentina chegou a uma Copa do Mundo com esse status foi em 2002, quando o time comandado por Marcelo Bielsa nadou de braçadas nas eliminatórias sul-americanas e, junto com a França, chegou como a grande favorita. No entanto, em 2002, os dois caíram na fase de grupos, enquanto 20 anos depois eles têm a chance de decidir uma Copa do Mundo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
1 0
Views:
858
Categorias:
Economia
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments