Vale vira investidora na Boston Metal; ‘aço verde’

  • por | publicado: 9/02/2021 - 15:01 | atualizado: 10/02/2021 - 20:32

Siderurgia mundial responderia por 8% das emissões globais de CO2 - Foto: Reprodução/Internet

A Vale S.A. acaba de ingressar no desenvolvimento de tecnologia de terceira geração em processos siderúrgicos. Entrou no projeto de eletrólise de óxido fundido (molten oxide electrolysis – MOE), da Boston Electrometallurgical Company (Boston Metal). A principal expectativa é a descarbonização na produção de aços. Portanto, produtos siderúrgicos livre de emissões de CO2, o chamado “aço verde”.

Mineradora multinacional brasileira e com sede no Rio de Janeiro (RJ), a Vale anunciou, nesta terça (09/02), o ingresso no pool investidor da Boston Metal. Na condição de minoritária, aportou de US$ 6 milhões.

O Conselho de Administração e diretor-executivo da Boston Metal, Tadeu Carneiro, deu conhecimento, em janeiro, de que a companhia captara US$ 50 milhões, isso em uma rodada para US$ 60 milhões Os recursos, portanto, davam suporte para “acelerar as implantações em escala industrial”. O comunicado da Vale, avança, ao assinalar que “a Boston Metal é uma empresa pré-operacional”.

Apoio de Bill Gates

Boston Metal surgiu como startup apoiada pelo Breakthrough Energy Ventures, um dos fundos financiados por Bill Gates, fundador da Microsoft.

BHP Billinton

Boston Metal, com sede em Boston (Massachusetts – EUA), tem entre investidores, por exemplo, fundos de venture capital (investidor de capital de risco), empresas de mineração e investidores privados.

De acordo com a Business Wire, de São Francisco (Califórnia), da rodada dos US$ 50 milhões, entre outros, participaram a Piva Capital (líder da captação), BHP Ventures (da BHP Billiton) e Devonshire Investors (empresa de investimento filiada à FMR LLC, controladora da Fidelity Investments).

Gera 8% das emissões de CO2

A MOE é apontada como “tecnologia inovadora”. Além das melhorias na qualidade dos aços, os investidores apostam, portanto, que trará várias soluções ambientais. Mas, não apenas na siderurgia, incluindo, por exemplo, a metalurgia do alumínio.

A capacidade mundial na produção anual de aços é de 1,9 bilhão de toneladas. E responde diretamente por 8% das emissões globais de CO2, de acordo com Bennet Cohen, sócio da Piva Capital.

Planta em todo mundo

A Boston Metal foi fundada em 2012. Surgiu da proposta de um grupo de professores do Massachusetts Institute of Technology (MIT). “Estamos construindo uma tecnologia e uma empresa que pode ser dimensionada para enfrentar o imenso desafio da descarbonização da fabricação de aço, e que a nova era da metalurgia está chegando em breve. Planejamos implantar unidades piloto em todo o mundo dentro de alguns anos”, anunciou Tadeu Carneiro.

Com a captação de janeiro, a Boston Metal criou, então, estrutura de capital suficiente para avançar na validação da tecnologia, já patenteada, em “anodo inerte em escala industrial”, de acordo com a Business Wire.   

Presidiu CBMM

Tadeu Carneiro foi diretor-presidente da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), de Araxá (MG). A CBMM é a maior empresa do mundo em produtos básicos de nióbio e de produtos metalúrgicos em escala.

Com ele a empresa avançou em muitas tecnologias. Entre seus legados, por exemplo, a lideranças no projeto de planta-piloto para escala comercial para terras raras. Além disso, abriu a participação em P,D&I com vários centros privados e de universidades. Lei Aqui.

Título original: Vale vira investidora em tecnologia para o ‘aço verde’

MATÉRIA RELACIONADA:

Fapesp põe SP à frente de Minas em metalurgia aplicada

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.