Autor de pedido de impeachment de Dilma diz que caso Bolsonaro é de interdição

  • por | publicado: 29/07/2019 - 20:21
Jurista Miguel Reale Júnior, um dos autores do pedido de impeachment da presidente Dilma, disse que caso de Bolsonaro é de interdição. Foto - Agência Brasil

Jurista Miguel Reale Júnior, um dos autores do pedido de impeachment da presidente Dilma, disse que caso de Bolsonaro é de interdição. Foto - José Cruz/Agência Brasil

Um dos autores do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o jurista Miguel Reale Júnior disse hoje à tarde, em entrevista à rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, que o caso do presidente Jair Bolsonaro é de interdição.

“Estamos realmente num quadro de insanidade, das mais absolutas. Não é mais caso de impeachment, mas caso de interdição”, defendeu o jurista, que saiu em defesa do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

Em entrevista hoje pela manhã, Bolsonaro havia reclamado da atuação da OAB na investigação do caso de Adélio Bispo, autor do atentado à faca contra o presidente, ainda no primeiro turno da eleição. Bolsonaro disse que poderia explicar ao presidente da entidade como o pai dele havia desparecido.

“Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB? Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele.”

Na entrevista para a rádio gaúcha, Reale Júnior disse que a fala do presidente é “gravíssima” e ofende todos os advogados. “Hoje o presidente da República se sentiu no direito de ofender a todos nós, não só os advogados, mas todos que prezam pelos direitos humanos”, disse.

Ouça trecho da entrevista do jurista para a rádio Guaíba:

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
2 7
Views:
780
Categorias:
Política

All Comments