Câmara estuda ajuda a estados, única saída para governo de Minas sair do buraco

Em entrevista ao jornal Estado de Minas/PortalUAI, governador Zema admite que salários de servidores pode atrasar ainda mais. Foto - Agência Minas

Em entrevista ao jornal Estado de Minas/PortalUAI, governador Zema admite que salários de servidores pode atrasar ainda mais. Foto - Agência Minas

A situação financeira de Minas Gerais, que já era dramática, está piorando a cada dia de agonia provocada pela pandemia do coronavírus. Não há saída à vista. O governador Romeu Zema, um empresário de sucesso, mas neófito em gestão pública, não foi capaz de apresentar soluções que pudessem ao menos amenizar o grave quadro fiscal do Estado.

Se não há solução interna, a saída é contar com a ajuda do governo federal. É provável que ainda hoje o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), articule com lideranças partidárias, e a participação da equipe econômica, um projeto de ajuda emergencial aos estados, todos eles penalizados com a queda na arrecadação por conta da redução da atividade econômica.

Maia sabe das dificuldades dos estados e quer que o projeto seja aprovado em caráter de emergência, provavelmente amanhã, para que a ajuda chegue a tempo de evitar danos ainda maiores para servidores estaduais, municípios, para o comércio, para as empresas, para a população.

O participar ontem de uma live do jornal Estado de Minas/Portal UAI, ancorada pelo jornalista Benny Cohen, o governador Zema não escondeu a gravidade da situação do Estado. “Devo, não nego, pago quando puder” foi, em síntese, o recado que ele deixou para servidores púbicos estaduais e prefeituras municipais.

Significa, primeiro, que os milhares de servidores estaduais voltarão a conviver com a incerteza de quando vão poder receber seus salários; segundo, os municípios, que receberam do governo estadual, nos meses de janeiro, fevereiro e março, parcelas de dívidas em atraso, depois de longa negociação, não deverão ver a cor do dinheiro em abril.

Se não for socorrido pelo governo federal, o governo de Minas corre risco de ter que fechar para balanço. Muito em breve.

Relacionada

Com ameaça de protesto de policiais na porta de casa, Zema libera pagamento

Bipolaridade em torno de Zema é combustível de sua instabilidade

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments