De olho na vaga de vice de Zema, Bilac desagrada aliados do governo

General Augusto Heleno, revela livro, disse que presidente Jair Bolsonaro é "despreparado". Foto - Agência Brasil

O discreto Paulo Brant (Novo) agora terá Bilac Pinto (DEM) como concorrente, colagem sobre fotos de Willian Dias e Guilherme Dardanan/ALMG

A articulação política continua sendo o grande desafio para o governo Zema (Novo), especialmente neste ano que é eleitoral. Por conta da sucessão municipal, o calendário político na Assembleia Legislativa será reduzido de 12 para seis meses. A partir de julho, as atenções ficarão voltadas para a campanha eleitoral em cada um dos 853 municípios, esvaziando o plenário do Legislativo.

Será exigida muita habilidade do governo para aprovar seus projetos prioritários. Ao mesmo tempo, ainda é grande a insatisfação dos deputados estaduais com alguns secretários, entre eles o de Governo, Bilac Pinto (DEM). Ele é responsável por fazer a ponte entre a gestão estadual e os outros secretários com o Legislativo, além do Judiciário e outros órgãos.

Deputados reclamam do descumprimento de emendas parlamentares que ficaram para última hora no final do ano passado, especialmente na área da Secretaria de Cultura. Uns culpam Bilac; outros o secretário da pasta, Marcelo Matte.

Aliados criticam o secretário de Governo por estar articulando para ocupar a vaga de vice em eventual chapa de reeleição do governador Romeu Zema. Há queixas contra ele dentro do próprio governo e nos outros poderes. As eleições só acontecerão daqui a três anos, mas já é grande a movimentação. O atual vice é Paulo Brant (Novo), que, diante do atual cenário, adotou postura discreta.

Matérias impopulares

Além da insatisfação de deputados, as matérias a serem avaliadas são polêmicas e complexas, como levar o Estado a aderir ao regime de recuperação fiscal. Programa do governo federal, a recuperação prevê venda de estatais, congelamento de salários e de promoções. São temas impopulares e desgastantes com os quais os deputados não irão querer se envolver. Até porque alguns são pré-candidatos a prefeito; outros apoiam aliados para garantir a própria reeleição em 2022 e a sobrevivência política.

Zema ignora promessa e nomeia primeiro deputado em seu governo

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
0 1
Views:
1837
Categorias:
Política

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
sergio

Pagamento do décimo terceiro para o funcionalismo discriminado pelo desgraçado do governeiro nada?Tdo mundo nadando na bosta e querendo cargos na democradura burguesa.

Sérgio R Silva

GOVERNO DIFERENTE, ESTADO INEFICIENTE!

– Três datas da listagem de matrículas prorrogadas.
– Quadro de horários online sem possibilidade de funcionamento.
– Diário Escolar Digital criando o caos em 2019.
– Resolução do quadro de pessoal ainda não publicada.
– Documentos orientadores elaborados pelo gabinete, sem consultas aos operadores das orientações e legislações.
– Ineficiência na divulgação de informações.
– Movimentação de pessoal não publicada.
– Solicitações para orientações, encaminhadas por e-mail para a SEE, nunca respondidas.
– Denúncias e manifestações ignoradas.
– Plano de atendimento falho e sem consulta às escolas.
– Imposição para a adesão compulsória de escolas para implementação do Ensino Médio Integral Integrado cujos alunos e pais optam pelo ensino regular.
– Fechamento de escolas estaduais.
– Fechamento de turmas dos 6°. anos sem a destinação da demanda dos alunos.
– Matrizes curriculares gerando excedência de professores.
– 13°. sem previsão de pagamento.
– Resoluções já publicadas escritas sem formatação metodológica, com erros gramaticais e deixando margem a várias interpretações.
– Orientações e (des) orientações sobre o AEE.
– Pagamento de uma parcela de educadores “desviada” para outra conta que não a utilizada.
– Concursados aguardando as nomeações.
– Controle sobre as pesquisas de mestrandos e doutorandos.
– Indicações políticas para os cargos onde a COMPETÊNCIA TÉCNICA E HUMANA se faziam necessárias.
– Parcerias com institutos privados, com possibilidades dos resultados não serem os esperados, uma vez que os planos de ações das escolas não estão bem elaborados ou executados.
– Mecanismos criados que entravam o trabalho habitual dos Analistas e Inspetores das SREs (uso do veículo particular, sede dos Inspetores, SCDP, relatórios e reuniões para os institutos privados)

Nomeações políticas para cargos essenciais deu nisso!

Se esse é o Novo, saudades dos velhos governos!