Demissão de Custódio Mattos cria outro problema para Zema na Assembleia

O presidente da Assembleia Legislativa, Agostinho Patrus (esq.) e o governador Romeu Zema (NOVO). Foto - Sarah Torres/ALMG

O presidente da Assembleia Legislativa, Agostinho Patrus (esq.) e o governador Romeu Zema (NOVO). Foto - Sarah Torres/ALMG

A demissão do tucano Custódio Mattos da Secretaria de Governo foi comemorada por uma parcela de deputados estaduais, mas acabou gerando insatisfação e até mesmo indignação num grupo grande de parlamentares. Portanto, o futuro secretário, provavelmente o deputado federal Bilac Pinto (DEM), cuja principal missão é fazer a articulação política do governo, tem como primeira tarefa acalmar os ânimos no Legislativo, que já estavam exaltados.

As relações entre o secretário e o governador Romeu Zema (NOVO) não eram as melhores, mas parlamentares da própria base governista avaliam que a demissão de Custódio poderia ter se dado de forma mais polida, evitando desgastes não somente junto aos deputados estaduais do PSDB, mas também entre as dezenas de tucanos que integram o governo Romeu Zema.

Portanto, antes de iniciar as negociações com os deputados em torno do Regime de Recuperação Fiscal, que passa pela privatização da Cemig e da Copasa, o novo secretário terá que acenar com agrados a muitos parlamentares para minimizar os efeitos da demissão atabalhoada de Custódio Mattos.

A favor do governador Romeu Zema e também do novo secretário de Governo, entretanto, poderá estar o poder de articulação do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Agostinho Patrus (PV), que teria dado um empurrãozinho para a derrubada de Custódio.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.