Novas revelações da Vaza Jato criam “saia justa” para novo chefe da PGR

  • por | publicado: 16/09/2019 - 23:11 | atualizado: 17/09/2019 - 00:23
Deltan Dallagnol (esq.), ministro Gilmar Mendes e procuradora Thaméa Danelon, no centro de mais uma denúncia da Vaja Jato.

Deltan Dallagnol (esq.), ministro Gilmar Mendes e procuradora Thaméa Danelon, no centro de mais uma denúncia da Vaza Jato.

As novas revelações da Vaza Jato feitas pelo site The Intercept Brasil e pelo jornalista Reinaldo Azevedo, no seu programa “É da Coisa”, da rádio Band News, deixa o novo chefe da Procuradoria Geral da República, Augusto Aras, numa tremenda “saia justa”.

É que a procuradora Thaméa Danelon, do Ministério Público em São Paulo, cotada para chefiar a força-tarefa da Lava Jato em Brasília, a convite de Aras, é o principal alvo de mais uma irregularidade cometida por integrantes da Lava Jato.

Conforme revelaram hoje à noite (16/09) o The Intercept e Reinaldo Azevedo, no dia 3 de maio de 2017, num chat privado no Telegram com Dallagnol, Thaméa informa que o famoso advogado Modesto Carvalhosa iria entrar com um pedido de impeachment do ministro Gilmar Mendes, do STF, e solicitou que ela fizesse a minuta da petição.

“O Professor Carvalhosa [Modesto Carvalhosa, advogado] vai arguir o impeachment de Gilmar. Ele pediu para eu minutar para ele”. O procurador Deltan Dallagnol, chefe da operação Lava Jato em Curitiba, responde: “Senacional, Tamis. Manda ver”.

Em outro trecho do diálogo, Thaméa afirma a Dallagnol: “Seu apoio é muito importante para mim“. No que Deltan responde: “Apoiadíssima“. O procurador ainda sugere: “Fala com o pessoal do RJ que tem tudo documentado quanto à atuação do sócio da esposa”. Deltan se referia ao advogado Sérgio Bermudes, de quem a mulher do ministro Gilmar, a advogada Guiomar Feitosa Mendes, é uma das sócias.

Por fim, Deltan afirma que se Thaméa quisesse, poderia olhar a minuta da petição, depois de redigida. “Quero sim, lógico. Obrigada!”, responde a procuradora.

Segundo especialistas, Thaméa teria cometido um ato ilícito ao atuar a serviço de um advogado e o caso vai, certamente, chegar ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Mais que isso. Augusto Aras ainda vai ser sabatinado no Senado e o seu nome precisa ser aprovado por 41 senadores. O caso da procuradora será, com certeza absoluta, levantado por algum senador para que o futuro chefe da PGR se manifeste. Será que Aras vai continuar bancando Thaméa Danelon?

Reprodução dos diálogos no Instagram entre Thaméa Denalon e Deltan Dallagnol.
Reprodução dos diálogos no Instagram entre Thaméa Denalon e Deltan Dallagnol.

,

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.