Pesquisa exclusiva: Zema só tem 28 dos 48 votos para aprovar a reforma da previdência

  • por | publicado: 21/07/2020 - 09:06 | atualizado: 22/07/2020 - 17:45

Policiais civis marcaram novo ato contra a reforma para o dia 6 de agosto, foto Daniel Protzner/ALMG

Se a reforma da previdência, proposta pelo governador Romeu Zema (Novo), fosse votada hoje na Assembleia Legislativa, ele seria derrotado por 48 votos contra e apenas 28 a favor. Para que a nova previdência estadual seja aprovada, o governo precisa de 48 votos a favor por se tratar de uma PEC, Proposta de Emenda Constitucional.

A sondagem exclusiva foi feita pelo ALÉM DO FATO desde a chegada do texto da reforma, no dia 19 de junho, e vem sendo atualizada permanentemente sobre o voto dos 77 deputados estaduais.

Foi essa constatação, que chegou ao conhecimento do governador, que o deixou irritado, levando-o a criticar e atacar os servidores. Tachou os contrários de defensores de privilégios durante live, nesta segunda (20), ao lado dos secretários de Governo, Igor Eto, e de Planejamento, Otto Levy.

Recesso e eleições podem atrapalhar

São esses dois secretários que estão com o diálogo aberto para tentar construir um consenso mínimo na Assembleia, de modo a obter os votos necessários à aprovação da reforma. Em vez de ajudar, as declarações de Zema contra os servidores podem comprometer essa interlocução.

Dos 76 deputados votantes, já que o presidente da Assembleia, Agostinho Patrus (PV), não vota, 16 deles são do bloco de oposição liderado pelo PT e são contra. Dos 60 restantes, embora não sejam de oposição, 21 deles disseram apenas que não votam contra o funcionalismo. Sobraram aí 38 votantes, dos quais 11 manifestaram dúvidas e se dizem indecisos.

Outro fator que incomoda o governo é que a votação se dará às vésperas da campanha eleitoral municipal, o que expõe os deputados que são candidatos a prefeito ou que apoiam aliados. Ficar contra o servidor, nesse caso, pode tirar votos. Apesar da pandemia, no recesso parlamentar iniciado nessa segunda (20), os contatos dos deputados com suas bases eleitorais também serão mais constantes. Servidores policiais civis marcaram grande mobilização para o dia 6 de agosto.

Veja o resultado da pesquisa ALÉM DO FATO

NÃO VOTAM CONTRA O FUNCIONALISMO

Sargento Rodrigues (PTB)

Delegada Sheila (PSL)

Cel Sandro (PSL)

Delegado Heli Grilo (PSL)

Douglas Melo (MDB)

Prof Wendel Mesquita (Solidariedade)

Prof Cleiton (PSB)

Cleitinho (Cidadania)

Prof Irineu (PSL)

Oswaldo Lopes (PSD)

Dr Paulo (PATRI)

Bruno Engler (PRTB)

Doutor Wilson Batista (PSD)

Fábio Avelar (Avante)

Fernando Pacheco (PV)

Ione Pinheiro (DEM)

João Leite (PSDB)

Mário Henrique Caixa (PV)

Mauro Tramonte (Republicanos)

Repórter Rafael Martins (PSD)

Tiago Cota (MDB)

INDECISOS:

Bosco (Avante)

João Vitor Xavier (Cidadania)

Cel Henrique (PSL)

Leandro Genaro (PSD)

Zé Reis (PODE)

Noraldino Jr (PSC)

Zé Guilherme (PP)

Neilando Pimenta (PODE)

Gustavo Mitre (PSC)

Doorgal Andrada (PATRI)

Rosangela Reis (PODE)

CONTRA A REFORMA

Ana Paula Siqueira (REDE)

André Quintão (PT)

Andréia de Jesus (PSOL)

Beatriz Cerqueira (PT)

Betão (PT)

Celinho Sintrocel (PCdoB)

Cristiano Silveira (PT)

Doutor Jean Freire (PT)

Elismar Prado (PROS)

Gustavo Santana (PL)

Leninha (PT)

Léo Portela (PL)

Marília Campos (PT)

Marquinho Lemos (PT)

Ulysses Gomes (PT)

Virgílio Guimarães (PT)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments