Prefeito de BH mexe na equipe para superar derrota de olho em 2024

  • por | publicado: 05/01/2023 - 05:29 | atualizado: 10/01/2023 - 03:15

Fuad põe terno no domingo de réveillon para prestigiar o concorrente Gabriel Azevedo na Câmara, foto Adão de Souza/PBH

O prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD), está preparando mudanças em seu governo, mas não é porque começou um novo ano. Ao contrário. A motivação foi a derrota sofrida no final do ano passado durante a eleição para a Presidência da Câmara de Vereadores. Esse cargo é do Legislativo, mas de grande importância para a governabilidade do Executivo que ele comanda.

O que o levou a derrota? Fuad entrou nessa disputa pra valer, o que foi um erro brutal, e perdeu feio, o que não é bom no campo administrativo, onde precisa da aprovação de seus projetos. Muito menos no campo político, onde precisa se fortalecer o projeto de buscar a reeleição no ano que vem. Por isso, o prefeito agora corre contra o tempo, vai fazer ajustes na área política, na saúde e na comunicação.

Concorrente difícil e não desejado

Para agravar, o eleito foi o vereador Gabriel Azevedo (sem partido), que assumiu com muito gás e sede de poder. Ninguém duvida de que o protagonismo que ele conquistou já o cacifa ser um pré-candidato a prefeito em 2024. Concorrente difícil e não desejado por Fuad.

Diante disso, 2023 será o ano mais importante para Fuad, suas eventuais realizações administrativas e a recomposição política. Ele tem pressa porque a realidade política mudou desfavoravelmente e precisa buscar, além da governabilidade administrativa, as chances de ser competitivo na sua reeleição.

As mudanças alcançariam, em primeiro lugar, a coordenação política, após a derrota na eleição da Câmara. O atual secretário da área, Josué Valadão está na prefeitura desde 2008, mas teria perdido o rumo na relação com os vereadores. Na Saúde, desde que assumiu, a atual secretária Claudia Navarro tem sido contestada pelo setor e, de lá pra cá, não teria dado respostas convincentes ao desafio. E na Comunicação, o prefeito quer mais agilidade e melhorar a relação com a população e a divulgação de seus eventuais feitos. Segundo alguns vereadores, quase tudo na atual gestão soa como velho e ultrapassado e sem dialogar com os novos tempos.

“Tenho pressa”

Em seu discurso de posse, no primeiro dia do ano, Gabriel Azevedo admitiu que tinha pressa. “Daqui a três meses, completo 37 anos. E com essa mesma idade, Juscelino Kubitschek assumiu a Prefeitura de Belo Horizonte dizendo que não iria exercer o seu mandato no gabinete. Ele o faria nas ruas. Assim foi. E diante da velocidade com que ele desejava mudar a cara de uma Belo Horizonte, que ainda possuía apenas duzentos mil habitantes, recebeu o apelido de ‘Prefeito Furacão’. Esse é o ritmo que me inspira. Assim também será comigo nessa Presidência da Câmara Municipal. Prometo agilidade. A cidade cansou de esperar”, antecipou Gabriel ao eleger seu trinômio: teto, trabalho e transporte. Ao contrário de Fuad, está com o discurso e a proposta prontos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments