Presidente do TJMG critica hostilidade do governo Zema a outros poderes

Nelson Missias, Agostinho Patrus e Romeu Zema: diálogo truncado, foto Willian Dias/ALMG

Dois meses depois, as mudanças na coordenação política do governo Zema (Novo) ainda não produziram efeitos. O secretário de Governo, Bilac Pinto (DEM) substituiu Custódio Mattos (PSDB), mas continua, na avaliação de alguns deputados, “batendo cabeça”. Desde que chegou, o novo secretário optou por uma linha mais agressiva, especialmente contra os outros poderes, contrariando as expectativas.

Na primeira intervenção que fez, no dia 2 de setembro, apresentou um quadro trágico, comparando a situação do estado a um “barril de pólvora”. Por isso, insinuou que essa crise poderia até levar a atraso de repasses constitucionais aos outros poderes, Legislativo e Judiciário, e órgãos.

Em 24 horas, a resposta veio numa dura manifestação em encontro dos chefes dos poderes mais os do Tribunal de Contas, do Ministério Público e Defensoria Pública. De lá pra cá, o tom agressivo permaneceu. Bilac amenizou o tom, mas o governador Romeu Zema e secretários da área econômica ainda soltam farpas.

Chefes de poderes estão insatisfeitos

A articulação política do governo piorou. Antes, incomodava o baixo clero. Agora, as relações com os poderes e órgãos esfriaram de vez. É notório que os chefes de poderes estão insatisfeitos com as atitudes do novo secretário.

Nessa quinta (24), por exemplo, o presidente do Tribunal de Justiça de Minas, desembargador Nelson Missias de Morais, deixou o lado reservado para mandar recados. A manifestação foi feita em artigo publicado no Estado de Minas, jornal de maior influência no estado. Ele reagia às diversas críticas, pela imprensa, de setores do governo à gestão e autonomia do Judiciário.

“Algumas análises enviesadas que têm sido veiculadas em torno do assunto (gastos do Tribunal), tentando imputar ao Poder Judiciário parcela desproporcional de responsabilidade pela crise, portanto, carecem de respaldo na realidade e só podem ser resultado de desinformação ou má-fé”, apontou o presidente do TJMG.

Ataques pela mídia em vez de diálogo

No mesmo texto, ainda dá lições de política com endereço certo. “Durante todo o período de negociação, o TJMG buscou o entendimento direto com as lideranças, sem recorrer a intermediários midiáticos”. Ou seja, criticou a troca do diálogo por ataques pela mídia. E mais, que “respeitou a harmonia entre os poderes, por entender que esse é um fato indispensável à governabilidade”.

De acordo com o magistrado, a governabilidade não passa apenas pelo Legislativo, mas igualmente pelo Judiciário. Ele citou diversas ações nesse sentido. A principal delas foi a mediação de acordo entre o Governo de Minas e a Associação Mineira dos Municípios (AMM) em torno de dívida bilionária.

Por meio da conciliação, o Tribunal promoveu acordo pelo qual o estado irá pagar cerca de R$ 7 bilhões aos municípios em 33 parcelas. A primeira delas será paga em janeiro próximo. Com isso, evitou-se “prováveis decisões judiciais de sequestro de recursos (do estado), que levariam ao caos”. A dívida refere-se ao bloqueio de recursos constitucionais de impostos (ICMS, IPVA e outros) aos municípios.

Tribunal dispensou, pela 1ª vez, suplementação de verba

Segundo ele, pela primeira vez, em sua história, o Tribunal não solicitou, neste ano, verbas suplementares ao Tesouro estadual. Além disso, adotou vários investimentos, como a construção de fóruns, com recursos próprios, liberando os prédios do Executivo para outros fins. Afirmou ainda que a proposta orçamentária para 2020 alinhou-se, solidariamente, à situação crítica fiscal de Minas. Limitou-se a corrigir os valores com base em índice sugerido pelo Executivo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
elias

Esses Governadores tem que entrar em Brasilia junto aos dep federal e senadores com pedido de mudança na constituição referente a repasse para o judiciário e legislativo, esse negocio de terem verbas própria e balela de onde eles tem verba própria, o dinheiro que eles usam e abusam e dos impostos pagos por nós trabalhadores.

Carlo E A Gomes

Governador Zema, esta no caminho certo, zero privilégios aos outros poderes.

Leo Mesquita

Esse pessoal está muito mal acostumado. São privilégios infinitos, gastos inúteis e muita, mas muita, mamata! Tem de cortar o orçamento do judiciario a metade, no mínimo!

macedo

financeiramente estão afundando o estado e o país, infelizmente a prestação de serviço que fazem, é muito pouco ou muito demorado

Iago Arantes

O presidente do TJMG não tem que estar descontente. Os membros do poder judiciário ganham somas vultuosas que passam inclusive do teto constitucional com os penduricários. Não tiveram seus salários atrasados nem uma vez. E alem de tuto prestam um serviço demorado, de baixa qualidade e com extrema arrogância

Nilson

Hostilidade? kkkk esses caras de outros poderes são muito vigaristas. Recebem super-salários, em dia (sem parcelamentos), 13º em dia, custam dezenas de vezes o custo do funcionalismo do executivo. São como gafanhotos em cima dos impostos, promovem verdadeira devastação, não deixando nada pra investir em saúde, em infra-estrutura, escolas… tinha que acabar com eles. Ninguém sentiria falta.

Ricardo Valle

TJMG e Assembléia Legislativa antro de pessoas sem trabalhar e ganhando muito, tinha é que cortar em 50% a verba de casa um no mínimo, e mesmo assim ainda seria muito, estão acostumados a mamar nas tetas do dinheiro público, e quando ameaçam cortar as mamatas começa os chiliques, tinha era que acabar com esses dois “órgãos”, temos centenas de desembargadores inúteis e 77 deputados estaduais, sendo que esses 77 pode multiplicar por uns 30 funcionários com salários absurdos, no mínimo R$ 5000,00 por mês, quem tiver a curiosidade procura no google cargos de recrutamento amplo na Assembléia Legislativa de MG, e lá estão os de funcionários de gabinete de deputados, é de chorar, revoltante, e o que temos de retorno???? Nada, e a conta desses absurdos sempre caem nas costas de quem paga os impostos.

Marcelo Gomes

Parabéns ao Zema tem que acordar esses poderes. Eles não fizeram nenhum esforço. Até agora só o executivo pagou a conta. Uma vergonha