PT e PSDB sofrem alta rejeição em BH, onde tucano não vence há 28 anos

Os candidatos Nilmário Miranda (PT) e Luiza Barreto (PSDB), fotos Cobertura Utópica/site PTMG e Guilherme Dardanhan/ALMG

O PT e o PSDB que, nos últimos 26 anos, polarizaram e protagonizaram as disputas políticas no Brasil, em Minas e em BH, estão registrando pífio desempenho nas eleições deste ano. Na capital mineira, ontem sempre estiveram na liderança, agora, pontuam abaixo dos 4%.

De acordo com essas pesquisas, as duas legendas não deverão ter chances sequer de chegar ao segundo turno e correm o risco de minguar ainda mais na Câmara Municipal de Belo Horizonte. Hoje, têm mandato ali apenas dois petistas e um tucano. Por serem ainda fortes nacionalmente, não correm risco de sumir do mapa, mas tendem a perder muitas prefeituras no país e no estado.

A situação do PSDB é ainda mais flagrante. Há 28 anos, o partido não ganha uma eleição na capital. A única de seu currículo foi vencida pelo tucano Pimenta da Veiga, em 1998, na primeira eleição do então recém-criado PSDB. Após essa experiência, que foi concluída pelo então vice-prefeito eleito, Eduardo Azeredo. Desde então, o partido conseguiu somente chegar ao segundo lugar, com Amílcar Martins, em 96, e João Leite em duas vezes, 2000 e 2016.

PT venceu três eleições na capital

Já o PT venceu três eleições para prefeito. A primeira com Patrus Ananias, em 1992; com Célio de Castro, em 2000, e Fernando Pimentel, em 2004. Hoje, o PT disputa a Prefeitura de BH com o ex-ministro Nilmário Miranda, que registra apenas 2 pontos percentuais. O PSDB lançou a novata Luiza Barreto, que tem menos de 1%. Pela margem de erro, podem ter 5 e 4 pontos respectivamente, ou nada.

Os dados são da pesquisa Datafolha feita nos dias 5 e 6 de outubro, depois de ouvir 800 eleitores com margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos. O número da pesquisa na Justiça Eleitoral: MG-09256/2020, e foi contratada pela TV Globo e Folha de S.Paulo.

LEIA MAIS: Reeleição de prefeito cai a cada disputa por conta do desgaste de gestão

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments