Senador mineiro comanda 1ª e histórica sessão virtual no Senado

Senadores votam projeto remotamente pela primeira vez, foto Jane de Araújo, Agência Senado

O senador Antonio Anastasia (PSD/MG) assumiu a presidência do Senado em sua 1ª e histórica sessão virtual nesta sexta (20). O mineiro é vice-presidente, mas assumiu a presidência interinamente porque o presidente Davi Alcolumbre (DEM/AP) foi infectado pelo Coronavírus.

Na votação, o Senado aprovou, com quorum de 75 senadores, por unanimidade, o projeto de decreto legislativo (PDL 88/2020). Pelo projeto, fica reconhecido que o país está em estado de calamidade pública por causa da pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19).

Adotada por precaução à epidemia, a votação foi considerada um sucesso pelos senadores apesar de alguns problemas técnicos. Antonio Anastasia disse que, pela urgência da matéria, o sistema não estava totalmente pronto e, por isso, os votos foram coletados verbalmente. As informações são da Agência Brasil.

Mais idosos votaram primeiro

Para liberar mais rápido os senadores mais vulneráveis, a votação seguiu por ordem de idade. O primeiro a votar foi o senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ), de 83 anos. A partir da semana que vem, segundo o senador, a votação passará a ser eletrônica, como é feita no plenário. Os senadores poderão votar “sim, “não”, “abstenção” e obstrução.

Pelo ato que disciplina o Sistema de Deliberação Remoto, os senadores, sem acesso à internet na hora da sessão, puderam votar por telefone. O senador Anastasia justificou, que nesses casos os parlamentares receberam uma senha para certificar a ligação. Foi o que fez o senador mineiro Rodrigo Pacheco (DEM-MG) entre outros cinco parlamentares.

Atendendo à recomendação de Anastasia, os senadores evitaram fazer longos discursos e a maioria foi direto à votação durante a sessão virtual. Os que usaram a palavra para se manifestar além do voto, desejaram melhoras aos três senadores que estão isolados depois de terem sido testados positivamente para Covid- 19. Além do presidente da Casa, os senadores Nelsinho Trad (PSD-MS) e Prisco Bezerra (PDT-CE), que fez questão de participar da sessão, estão infectados pelo novo coronavírus.

Senado pede desculpas à China

Ainda na sessão, Antonio Anastasia formalizou pedido de desculpas à China em ofício para a Embaixada desse país. No documento, o Senado afirma que “nenhum obstáculo poderá separar nossos povos no combate a uma doença tão intensa e arrasadora”. O pedido de desculpas vem depois de o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ter usado o Twitter para atacar a forma como a China lidou com a epidemia de coronavírus que eclodiu primeiramente naquele país.

A declaração recebeu muitas críticas dos senadores, que classificaram a atitude como “absurda” e o deputado como “irresponsável”.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments