Será que Bolsonaro precisaria de Moro novamente para vencer Lula?

  • por | publicado: 14/03/2021 - 08:07 | atualizado: 13/03/2021 - 20:14
Presidente quer demitir diretor da Polícia Federal e Moro ameaça pedir demissão. Foto - Alan Santos - Presidência da República

Bolsonaro e Moro, antes aliados, agora, inimigos, foto - Alan Santos - Presidência da República

A decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), de anular as condenações do ex-presidente Lula, do PT, abalou a República. E mais, colocou em parafuso o sistema político e econômico que busca, e na maioria das vezes consegue, ter o controle dos rumos do país. Com isso, contamina a boa-fé do brasileiro, a democracia e a justiça.

O que mais mexeu com Brasília nessa decisão monocrática do STF foi o fato de Lula recuperar os direitos políticos, com possibilidade de voltar a ser candidato presidencial. O que, aliás, lhe foi subtraído nas eleições passadas, como a cada dia e a cada avaliação vai ficando mais explicitado assim como suas razões.

Foi feito, à época, um uso político da justiça. Tanto é que o ex-juiz federal Sérgio Moro virou ministro da Justiça três meses depois de ter facilitado a vitória de Jair Bolsonaro em 2018. Agora, Bolsonaro tentará a reeleição, em 2022, mas não terá um Sérgio Moro para lhe ajudar. Ao contrário, os dois hoje se odeiam.

Passado é mais grave que risco futuro

Antes, no entanto, de se preocupar com o futuro, no caso com as eleições presidenciais, os políticos de forma geral deveriam se concentrar no passado. Afinal, como se condena e leva à prisão uma pessoa, ainda mais um ex-presidente da República e subtrai-lhe os direitos à presunção de inocência, de defesa, de ir e vir e de disputar as eleições? Lula ficou preso 580 dias. Essa é um tipo de sentença e de penalidade que não há como ser revertida ou reparada. Não há como devolver os dias sem liberdade.

O ex-juiz fez uso político da justiça; a política fez uso político dele e, quando não precisaram mais dele, o mandaram embora. Simples assim.

A maioria dos políticos que ficou preocupada com a decisão se manifestou apreensiva sobre os próprios projetos políticos do futuro. Bolsonaro quis, aparentemente, deixar a impressão que foi bom para ele, à medida que favoreceria a polarização entre o que ele representa, a extrema direita, e Lula, a extrema esquerda.  

Caso de miopia ideológica

Em um cenário de governo Bolsonaro, todos aqueles que o criticam e são contra seu governo são acusados como de extrema esquerda, petista e comunista. Um fake News e erro grosseiro de visão política e ideológica.

No entanto, Bolsonaro precisa dessa confusão, especialmente, de mentiras para se sustentar no poder. Muitos dos que se arrependeram do voto em Bolsonaro recuam diante da possibilidade de retorno de Lula e do PT ao governo federal. Mesmo diante do fracasso do governo Bolsonaro, especialmente, no combate à pandemia. Os motivos apresentados são os mesmos que levaram à condenação de Lula, agora anulada, e à criminalização do PT e da política, que, agora, também terá que ser revista.

Se os danos ao ex-presidente Lula não podem mais ser reparados, ainda que ele seja inocentado, todo esse estrago que afetou a justiça e a democracia pode ser identificado e denunciado à luz do estado democrático de direito.

Não se justificam os medos dos rivais em ter que enfrentar Lula nas eleições futuras. Todos deveriam ter receio, apreensão e indignação, sim, de que tais violações aconteçam com eles. E mais, que o país seja ameaçado por um retrocesso político que nega a ciência e, principalmente, o voto popular e informatizado como símbolo da democracia brasileira.

LEIA MAIS: Moro pede demissão e faz acusações gravíssimas contra presidente Bolsonaro

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Heber Siman

Deveria chamar “Além da fake”. O psicopata Luladrao ainda vive como símbolo de 20% dos lunáticos que ainda não conseguiram entender que se trata do líder do maior esquena de corrupção que se tem notícia!!!. Concordo que as opções não são as melhores, incluindo o próprio Bolsonaro, mas é o que tem prá hoje… Ou colocar o ladrão lá…. Uma grande brincadeira que alguns colunistas e parte da mídia irresponsável parecem querer. Prestam um desserviço a nação!!!

Observador do Norte

O dilema está colocado para nós brasileiros; apoiar dois sugadores dos cofres públicos! Cada um com a sua “quadrilha” devidamente organizada e ávida por raspar o fundo do tacho da viúva! Será se entre 230 milhões de pessoas não teremos uma que seja correta e sirva ao povo; ao invés de se servir dele!

Mauricio Batista

Moro segurou Lula para

Mauricio Batista

Moro segurou Lula para que o PSDB ganhasse, mas deu errado, Bolsonaro levou a melhor. entao agora acusa o governo de descarta-lo, so que nao, todos sabemos que ele e um traira. e sobre Bolsonaro precisar dele de novo, nao vai nao, so Moro o esta ajudando, pois segurou Lula na primeira vez, e agora com a soltura do Lula, moro sera investigado por falcatruas, entao Bolsonaro ja esta eleito. E a respeito da pandemia, Bolsonaro so esta apenas pagando as contas dos governadores e prefeitos ladroes dos cofres publicos, com determinou o STF. A respeito das vacinas, nao se esquecam que Brasil e terceiro mundo. Poderiamos estar fabricando essas vacinas ai no Brasil, mas como os bandidos que estavam la antes saquearam os cofres e nao investiu em Hospitais, educacao, ciencia, etc…. fica dificil de resolver de uma hora pra outra.

Leonardo Costa

O cenário político mudou, a derrota do miliciano genocida é certa. Não tem nada que mude isso.