Zema chama deputados de mercenários e abre nova crise com Assembleia

Zema sobre deputados: "uns querem saber quanto vai ganhar com isso", foto Gil Leonardi, ImprensaMG

Perto da votação de projetos tidos como prioritários para sua gestão, o governador Romeu Zema (Novo) volta a se indispor com o Legislativo e abrir nova crise com deputados estaduais. Em nova declaração, Zema classificou sua relação com o Legislativo de “média” e tropeçou ao chamar deputados, genérica e sem citar nomes, de prática mercenária.

“Muitos lá ainda pensam no “o que eu ganho com isso” do que “o que é bom para Minas Gerais. Isso faz com que tudo fique mais difícil. Nós precisamos desse espírito de doação no setor público. Da mesma forma que muitas pessoas vão trabalhar em organizações sociais, em ONGs, até sem remuneração. O setor público precisa mais desse espírito de voluntário e não de mercenários. E infelizmente, muitas vezes esse é o tipo de pessoa que o procura”, disse Zema em entrevista ao site Boletim da Liberdade, feito por empreendedores do Rio de Janeiro. Ele não citou nomes, mas acentuou que o Legislativo “está dentro desse contexto que falei”.

Deputados cobram nota de repúdio

Quando parecia que Zema tinha estabelecido nível de convivência institucional com a Assembleia Legislativa, o governador derruba a construção de sua frágil base de apoio. As declarações dele caíram como uma bomba na Assembleia, até mesmo entre aqueles que mantinham uma posição de independência. Ainda nesta manhã, deputados até cobravam uma nota de repúdio da Mesa Diretora da Assembleia às suas declarações.

“Se ele está querendo briga, terá”, advertiu o deputado Osvaldo Lopes (PSD), avisando que seu bloco parlamentar é o maior da Assembleia, com 39 deputados. Admitiu que todos, sem exceção, ficaram irritados com a generalização. “Não tem base o governador Zema afirmar algo desta natureza, ele generaliza ao não apontar quem são os ”mercenários” da Assembleia no contexto que afirmou na entrevista. Um absurdo tratar a Assembleia desta forma, um poder que vem buscando diálogo a todo momento, sendo propositivo com sua gestão e responsável com o Estado.
A relação que sempre foi difícil só complica ainda mais daqui pra frente. Esperamos uma retratação ou que aponte aqueles de sua base que ele identifica agirem desta forma, já que a oposição cumpre seu papel responsável e de diálogo construtivo ao longo de seu mandato”, apontou o deputado Ulysses Gomes (PT), líder da Minoria.

Recuperação fiscal impõe perdas

Começa a tramitar na Assembleia o projeto tido como prioritário pelo governo, que é o da adesão ao Regime de Recuperação Fiscal, programa do governo federal. Por ele, Minas renegociaria sua dívida bilionária com a União de cerca de R$ 130 bilhões. Como condição, teria que privatizar empresas estatais, como a Cemig, Copasa, Codemig, entre outras, congelar salários dos servidores. Além de proibição de contratação de funcionários e dos concursos públicos.

A nova trombada do governador deverá colocar o projeto no telhado, já que ele não tem maioria na casa e a maioria considera o projeto prejudicial a Minas Gerais.

Arrecadação cresce na pandemia

Ainda na entrevista, Zema disse que falta espírito público na política. “As pessoas, de uma maneira geral, procuram o setor público para poder resolver o seu problema pessoal, que muitas vezes é financeiro. Estão em busca de uma solução individual e não de uma contribuição para a sociedade. Isso acaba fazendo do setor público um ente que não retorna para a sociedade serviços pelos quais ela paga caro. Desde o primeiro dia do nosso governo tenho mencionado que o Estado existe para servir à população, o pagador de impostos, e não para servir quem trabalha nele”.

Zema se equivocou também ao citar a difícil situação financeira do estado. Ao contrário do que disse, a arrecadação do Estado vem subindo cerca de 15% ao mês se comparada ao mesmo período do ano anterior. Isso ocorre desde outubro, em plena pandemia. Abril comparado com o mesmo mês do ano passado deve registrar crescimento de 40% a 50% a mais.

LEIA AQUI A ENTREVISTA DO GOVERNADOR NA ÍNTEGRA

LEIA MAIS: Zema precisa ajustar gestão à política para não ser engolido por ela

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
5 4
Views:
7589

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
16 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fernando Martins

Fala do Zema foi perfeita. Qualquer um que não seja militante de algum partido entendeu muito bem o que ele quis dizer. A verdade é que esses deputados(estadual, federal), na sua grande maioria, são vagabundos sim. Quando é para aprovar leis que os beneficiem…ai sim, eles são rápidos e muito eficientes.

Fernando Martins

Fala do Zema foi perfeita. Qualquer um que não seja militante de algum partido entendeu muito bem o que ele quis dizer. A verdade é que esses deputados(estadual, federal), na sua grande maioria, são vagabundos sim. Quando é para aprovar leis que os beneficiem…ai sim, eles são rápidos e muito eficientes.

Justoss

Errado.. o pior é o presidente da república miliciano.

Marcelo Araujo Rocha

certamente …

Gilberto

Duvido que quem não é mercenário tenha se ofendido! Quem não deve não teme! Se a carapuça serviu…..

Lucio

Certíssimo!

Bruno Medina

Aguardando aparecer aqui algum mineiro que se preze que tenha a ousadia de dizer que a fala do Zema está incorreta…

Justoss

incorreta sim.. está generalizando, o que ele quer é destruir o estado de vez.

Lucio

Pelo que entendi do seu texto você aguarda alguém “que se preze”. Que fique claro.

Marden Barros

Zema falou a Verdade, mas certas Verdades não podem ser ditas em público. Para o bem de MG tem que reparar a fala, e dizer( a mentira) que a maioria dos Deputados colocam o bem da população a frente dos interesses pessoais.

Helbert

Zema, vendido – quer acabar com o estado. Quer vender tudo para os parceiros. Tem treta!!!!!

Daniel Soares Arantes

Ao contrário , Zema quer é fortalecer o Estado vendendo a parte podre que são as empresas que atendem uma pequena casta de aproveitadores !

Denildo Gomes

Perfeita colocação do Romeu Zema.

O nosso estado está na situação em que se encontra devido a prática do toma la da cá ao longo dos anos.

A nossa Assembleia que vive utilizando os meios de comunicação para se autopromover, em 2019 foi considerada a mais cara entre todos o estados do Brasil. 1,6 Bilhão para se manter funcionando e ser pouco eficiente para o cidadão pagador de impostos.

Todos nós Brasileiros deveria observar mais de perto quem realmente está interessado em fazer nosso país desenvolver de forma sustentável e respeitar cada real que o contribuinte paga de imposto.

Ai sim teríamos resultados reais para o contribuinte.

Fernando Roquette Reis

Impressionante como a mídia em síndrome de abstinência de dinheiro público reage até às obviedades. O Zema não disse nada demais. Se a carapuça serviu em alguém que a mídia destacasse esse fato. Mas não….quer crise, quer minar o único governo sério e honesto dos últimos 40 anos em Minas.

Marcelo Araujo Rocha

Grande Fernando , tudo bem !? Vejo a matéria como Pró-Zema ….afirmativa inegável !!

Observador do Norte

São mais que mercenários; são criminosos (quando utilizam a função pública em benefício próprio, desviando recursos públicos para os seus bolsos)! Qualquer coisa é motivo para “rompimento”; ou seja, ficam procurando um “pezinho” para buscar aumentar o cacife para valorizar o “voto” em troca de “propinas”! Não são satisfeitos com as remunerações milionárias e benesses de toda sorte, tudo às custas do contribuinte! Por outro lado, no plano federal, onde já se viu o “INVESTIGADO INFLUIR NA INDICAÇÃO DOS INVESTIGADORES”? CPI’s no Brasil além de não servirem para nada, ainda aprofundam a corrupção, pois se transformam em “moeda de troca” para indicações de cargos, onde os ocupantes irão simplesmente cometer “mais corrupção”!