Braskem terá custo adicional de R$ 3 bi nas indenizações

  • por | publicado: 26/11/2020 - 23:37 | atualizado: 30/11/2020 - 10:08

Plataforma da Braskem na mina de sal em Maceió (AL) - Foto: Braskem/Divulgação

Braskem S.A terá custos “adicionais” de R$ 3 bilhões para encerrar extração de na mina de sal-gema atendendo “ofício” da Agência Nacional de Mineração (ANM). Agora, o fechamento da mina de Maceió (AL) incluirá o “preenchimento com material sólido de determinados poços de sal adicionais”. É o que diz comunicado da Braskem, desta quinta (26/11), à B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

O fim das operações não é por exaustão da mina, mas pelos danos causados em milhares de imóveis na capital de Alagoas (ver adiante).

A companhia, no entanto, afirma que já executa o preenchimento de quatro poços de sal com material sólido. E que essa operação deve durar 36 meses. Além daqueles locais, que realiza “fechamento convencional dos seus demais poços de sal”. E que, portanto, todos os procedimentos seguem “recomendações de instituições independentes e especialistas renomados” e que são repassadas à ANM.

Acredita em reversão

O custo adicional ao já provisionado, diz a Braskem, “considera as informações preliminares existentes até o momento”. Mas assinala que ainda não houve “esclarecimentos junto à ANM”.

Todavia, a petroquímica acredita que “a ANM poderá reavaliar as medidas estabelecidas no Ofício”. Isso incluiria, portanto, a possibilidade de “dispensar o preenchimento de poços remanescentes em caso de estabilização solo”.

Rachaduras em Maceió causadas pelas atividades da petroquímica – Foto: Arquivo/Processo TRF5/CPRM

Causou rachaduras em Maceió

A interrupção das atividades foi determinada em ação civil pública, proposta pelo Ministério Público Federal de Alagoas. Isso, em função dos riscos criados em área onde extraiu sal-gema até maio de 2019.

Pelo acordo firmado, no mês passado, a companhia terá, então, de remover moradores de 9 mil imóveis em quatro bairros, onde ocorreram rachaduras. As ocorrências foram registradas em março de 2018.

Principal área afetada com a extração de sal pela Braskem – Foto: Braskem/Divulgação

Provisionado R$ 8,3 bilhões

Para cobrir indenizações, danos e fechamento da mina a Braskem havia provisionado R$ 8,3 bilhões.

Líder em resinas termoplásticas

A Braskem é líder na produção de resinas termoplásticas nas Américas e de polipropileno nos Estados Unidos. Opera 40 plantas nas Américas e Europa. Destas, 29 no Brasil (RJ, AL, RS, BA e SP). No exterior, tem instalações nos Estados Unidos (5), Alemanha (2) e México (4).

No somatório, portanto, capacidade anual para 16 milhões de toneladas de resinas termoplásticas polipropileno (PP), polietileno (PE) e policloreto de vinila (PVC) e outros produtos (insumos químicos básicos).

Braskem teve prejuízo de R$ 7,8 bi

No final do 3T20, a Braskem apresentou R$ 41,939 bilhões em ativo imobilizado. Portanto, 11,10% a mais que em 31 de dezembro. Porém, na conta ativo total o salto foi bem superior, de 26,44%, para R$ 86,148 bilhões. Mesmo assim, o patrimônio líquido variou de R$ 3,944 bilhões para valor negativo R$ 6,412 bilhões.

As receitas de vendas da Braskem de janeiro a setembro, de R$ 39,805 bilhões, ficaram estáveis comparadas ao mesmo período de 2019. Contudo, a companhia conseguiu reduzir o prejuízo líquido em 33,12%, para R$ 7,892 bilhões.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments