Tormentos da Braskem no universo do R$ 1 bi

  • por | publicado: 27/12/2023 - 05:20

Imagem ilustrativa (2021) de residências abandonadas na capital de Alagoas, por causa do afundamento do solo, em consequência da exploração mineral da Braskem - Crédito: Reprodução/TV Gazeta

A petroquímica Braskem S.A. trabalha com possibilidade de indenização de R$ 1,46 bilhão ao sistema de trens da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), em Maceió (AL). Essa é a avaliação de “assessores jurídicos externos” contratados pela controlada da Petrobras. O fato gerador é a tragédia com o “afundamento” do solo em áreas da capital alagoana, motivado pela extração de sal-gema.

O desastre causado pela Braskem, de acordo com levantamentos atualizados, exigiu o deslocamento de mais de 60 mil pessoas de suas casas em Maceió. O problema foi constatado com rachaduras em paredes de imóveis surgidas em 2018 e amplamente divulgadas no ano seguinte. Entretanto, a companhia minimizava a tragédia.

O esclarecimento para causa bilionária, que reporta solicitação de esclarecimentos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), relata que o pleito da CBTU data de fevereiro de 2021. Mas, na época, a estatal do governo federal iniciou a causa em R$ 222 milhões.

Justiça nega bloqueio de R$ 1 bi da Braskem

Braskem é líder em resinas termoplásticas e tem ações listada na Bolsa de Valores B3.

Leia a integra das explicações de ontem (26/12) da Braskem à CVM na questão da CBTU. A Justiça de Alagoas negou, também na quarta, pedido do Ministério Público Federal (MPF) e Defensoria Pública da União (DPU), de bloqueio de R$ 1 bilhão em contas da companhia.

Mapa das áreas de riscos em Maceió (AL) produzido pela Braskem – Crédito: Divulgação/Documento Governo AL/2022

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments