Carnaval de risco do prefeito Fuad turbina dengue

  • por | publicado: 02/02/2024 - 13:55

Prefeitura da capital mineira anuncia atração de 2 milhões de foliões de fora. Imagem ilustrativa do Carnaval 2023 - Crédito: Divulgação da Belotur/PBH

O prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD), até esta sexta (02/02), se comporta alheio a um caos anunciado. É previsível o potencial risco de pressão sobre a frágil estrutura de saúde pública da capital durante o Carnaval 2024. Mas, não será um privilégio da capital dos mineiros. Outros municípios mineiros e de outros Estados estão no fio da navalha da dengue.

Passou da hora, então, de o Prefeito dar provas em sentido contrário, de compromisso com a população. Mas, fica claro, o foco está na reeleição, ou seja, fichas no Carnaval, jogar para jornais, rádios e TVs.

Ontem (01/02), por exemplo, em clínica otorrinolaringológica, na Av. Afonso Pena, no Funcionários, Zona Sul, cenário dava medo. Era prova cabal ausência de mobilização da autoridade púbica.

Entre 12h19 e 13h33, o saguão de espera daquela clínica (fechado e ar-condicionado ligado) tremeu. Cerca de 40 crianças, adolescentes, adultos e idosos se acotovelavam literalmente: cadeiras obrigam pessoas praticamente a encostar em bundas alheias. Alguns tossiam, espirravam etc. Apenas uma pessoa usava máscara sanitária de proteção respiratória.

Matérias Relacionadas:

Um médico da equipe da clínica esclareceu que o estabelecimento não pode exigir o uso de máscara: “Hospitais e clínicas seguem os Protocolos das autoridades (Prefeituras, Estado e Governo Federal)”. Traduzindo: cabe, portanto, à autoridade pública da Saúde determinar procedimentos preventivos individuais e posturas em áreas fechadas de aglomeração.

Está faltando o quê, Seu Prefeito?…

Nem Prefeitura nem Estado divulgam Protocolos

Nesta manhã (02/02), em entrevista, o secretário de Estado da Saúde, Fábio Baccheretti, foi indagado do porquê do recorde de casos de dengue em Belo Horizonte. Deu chabu! A autoridade, médico em função política, estava preparada para outro tema: inauguração de uma unidade.

Seria, entretanto, o caso de o Governo de Minas se apresentar comprometido com a população. Anunciar, por exemplo, medidas preventivas amplas, eficientes e confiáveis, acessíveis em todo Estado. Atitudes responsáveis, está comprovado, custam bem menos aos cofres públicos, além de minimizarem as consequências sobre a população.

Moral da ópera: parece que nem o Governo de Minas Gerais nem a Prefeitura de Belo Horizonte têm Protocolos, mesmo com as estatísticas da dengue subindo para espaço.

No ápice da pandemia da Covid-19, houve colapso na rede pública de hospitais em todo país. O caos maior foi em Manaus (AM), onde o número assustador de óbitos obrigou cemitérios municipais a abrir áreas para sepultamentos em covas rasas. Imagem de abril de 2021. Foto: Divulgação/ Semcom/Manaus

2 milhões extra de foliões; Carnaval de caos anunciado

De volta ao prefeito de Belo Horizonte. Fuad, caso ele não mude de postura, continuará com imagem de comprometido apenas com o Carnaval. Ele sabe, por exemplo, nomes de “bloquinhos” dos bairros e melhores horários para cair na folia. Deveria, entretanto, se espelhar na preocupação no colega da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD): admitiu situação de epidemia de dengue.

Fuad exibe brilhos nos olhos ao prever (vai ter contagem?) a chegada de 1 milhão a 2 milhões de foliões à cidade. Esse batalhão, se vier, irá se acotovelar pelos “bloquinhos”.

Abdicar de postura administrativa firme, será, então, o mesmo que, no pós-Quarta-feira de Cinzas, potencializar desfiles dos bloquinhos das funerárias. Isso tanto nas ruas da Capital mineira quanto em cidades de origem dos esperados foliões.

O prefeito de Belo Horizonte, portanto, começa a lembrar atitudes patéticas e criminosas do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). O ex-chefe do Planalto (2019-2022), assumiu atos administrativos e posturas públicas que contribuíram na triste estatística superior a 700 mil óbitos (março 2023) associados à Covid-19. A pandemia está praticamente esquecida, porém, não foi embora.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments