Copasa segue o rastro do BDMG e leva seu pires ao BEI

  • por | publicado: 29/11/2019 - 07:17

Recentemente, o Governo de Minas fez comunicação e provocou alta nas ações da Copasa na Bolsa de Valores. Mas, empresas financeiras reagiram de forma negativa - Foto: Estação Rio Manso/Divulgação Copasa

Depois do BDMG, chegou a vez da Cia. de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) bater na porta do Banco Europeu de Investimentos (BEI). A aprovação da diretoria-executiva será no dia 11 de dezembro, em Assembleia Geral Extraordinária (AGE).

A Copasa, porém, não revelou o volume que pretende solicitar ao BEI nem a destinação prioritária. Mas é bom que os seus dirigentes se preparem para negociação nada fácil. Pois, administradores do banco europeu não seguem padrões brasileiros: enquadraram a diretoria do BDMG. A estatal do Governo de Minas tem ações do capital social listada na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

O BDMG se candidatou a uma captação direta de € 100 milhões (R$ 462 milhões – fechamento mercado 14/11) no BEI. Mas, sua diretoria passou a ler em nova cartilha, ditada de dentro do próprio Conselho.

#B3 #Copasa #BDMG

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
0 2
Views:
1334
Categorias:
Economia

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Tulio Pessoa

Se a Copasa fosse transparente em seus processos internos em geral, e tivesse tbm transparência e uma regra clara na escolha dos gerentes e gestores, passaria muito mais seriedade a todos.
Hoje a copasa é mal gerida. Em montes claros por exemplo, despejaram uma nova equipe de gestores incompetentes que não vão dar conta de resolver os problemas. Em Divinópolis está tudo largado as traças, em Patos de Minas a burrice impera na coordenação da gestão, no vale do aço falta água todo dia e ninguém resolve nada, em Ibirité é terra largada, o vale do jequitinhonha, reduziu um distrito operacional e a população que sofra as consequências. Com as novas nomeações, Copasa tirou gestores tecnicos para distribuir cargos a indicados políticos que se perpetuam na dança das cadeiras há mais de 40 anos.