Copasa tem capacidade financeira; Copanor leva bomba

  • por | publicado: 18/03/2022 - 16:42 | atualizado: 22/03/2022 - 14:29

Copasa não comprovou anuência de 189 municípios - Crédito: Copasa/Arquivo

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa MG) obteve aprovação em seu “Processo de Comprovação de Capacidade Econômico-Financeira” junto à Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário (Arsae-MG). Conforme comunicou à Bolsa de Valores, a decisão (“pareceres técnicos”) atende às exigências da legislação federal, tanto na 1ª fase (indicadores econômico-financeiro) quanto na 2ª (estudos de viabilidade e plano de captação de recursos).

Conforme a súmula da “Decisão Arsea-/GAB Nº 094/2022”, a Diretoria Colegiada se manifestou de forma unânime. Entretanto, o parecer, de 16/03, traz “ressalvanegativa relevante para estatal controlada pelo Governo de Minas Gerais (ver abaixo).

Copasa deve anuência dos municípios

A aprovação (pareceres técnicos) da estatal atende, então, etapas da legislação federal em duas fases: 1ª, dos indicadores econômico-financeiros, e, na 2ª, estudos de viabilidade e o plano de captação de recursos.

Mas a Copasa ficou devendo os “termos de anuência aos aditivos de inclusão de metas de universalização” nos serviços para os municípios que atende. A Diretoria Colegiada da Arsea-MG, portanto, colocou a ressalva: “o grupo de municípios listados abaixo (189) não apresentaram termo de anuência conforme disposto no inciso I e I do art. 11 do Decreto Federal 10.710/2021 (sic)”. Tanto de uma parte quanto da outra, a exigência deveria ser atendida até a conclusão dos pareceres técnicos.

A Copasa, portanto, apresentou metas de universalização dos serviços para parte do seu mercado, 396 municípios.

Matéria Relacionada:

Copasa na Justiça contra multa por cobrança indevida

No comunicado, o diretor Financeiro e de Relações com Mercado, Carlos Augusto Botrel Berto, informa que irá recorrer contra a agência. A estatal, então, tem prazo de sete dias úteis a contar do dia 17/03 para tal. Está listada no pregão da Bolsa (B3 – Brasil. Bolsa. Balcão) desde 2006.

Copanor não demonstrou capacidade

Mas, se fez maia festa para si própria, a Copasa nada disse à Bolsa de Valores quanto à sua subsidiária Copasa – Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A (Copanor). Esta levou bomba da Diretoria Colegiada da Arsea-MG na sua avaliação de Econômico-Financeira. “… decidimos, por unanimidade, pela não comprovação da capacidade econômico-financeira da Copanor”, subscreveram os três diretores da agência.

Copanor é subsidiária integral da Copasa – Crédito: Reprodução/ Facebook

A Copanor foi criada em 2007, num pacote com outras duas empresas: Copasa Águas Minerais de Minas e Copasa Serviços de Irrigação.

O Governo de Minas Gerais passou, então, à Copanor compromissos de levar água e esgotamento a municípios e localidades no mercado mais carente, no aspecto social, de Minas Gerais: principalmente nos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e São Mateus.

Copasa deixou moeda podre na Copanor

Numa leitura da política voltada para atrair investidores em Bolsa, pode-se afirmar que a Copanor veio para limpar as ações da holding Copasa na Bolsa. No jargão das instituições financeiras e dos corretores, portanto, retirar “moeda podre”, refugada nos negócios, da carteira dos bons ativos atrativos.

Tamanho dos mercados e plano 2018-22

Juntas, Copasa e Copanor ligam com águia potável 11,400 milhões de consumidores. E, na parte do esgotamento sanitário, 8,120 milhões (2020). Veja AQUI qual era o “Plano Plurianual de Negócios da Copasa (consolidado) 2018 a 2022”.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments