Receber recurso da lei Kandir seria como “sonho de uma noite de verão”

Fuad Noman, secretário da Fazenda de Belo Horizonte, não está otimista com possibilidade de o Estado receber recursos da Lei Kandir. Foto-PBH/Divulgação

Fuad Noman, secretário da Fazenda de Belo Horizonte, não está otimista com possibilidade de o Estado receber recursos da Lei Kandir. Foto-PBH/Divulgação

O secretário da Fazenda de Belo Horizonte, Fuad Noman, que pela sua trajetória no setor público conhece como poucos os meandros das finanças da União, avalia que a possibilidade de o Estado receber R$ 135 bilhões por perdas com a Lei Kandir, como estão pleiteando lideranças políticas mineiras, seria “como um sonho de uma noite de verão”. Ou seja, chance próxima de zero.

O economista Fuad, que já foi do ministério da Economia, do Banco Central, secretário de Fazenda de Minas, diz que a máquina pública tem uma grande quantidade de esqueletos guardados no armário e, de vez em quando, algum resolve sair ou alguém decide retirá-lo. O da vez, segundo ele, seria a Lei Kandir (ou, mais especificamente, as perdas que os estados tiveram com a lei, que isentou do pagamento de ICMS alguns produtos para exportação).

Para o secretário, imaginar que o governo federal, que vem apresentando déficits crescentes nos últimos anos, concorde em “presentear” os Estados com com algo em torno de R$ 600 bilhões (dos quais, R$ 135 seriam de Minas), é algo impensável. “Se tivéssemos em período de vacas gordas, até poderia ser possível, mas nessa situação é praticamente impossível”, assinala.

Mas caso as lideranças mineiras, à frente o governador Romeu Zema (Novo) e o presidente da Assembleia, Agostinho Patrus (PV), tenham êxito, a prefeitura de Belo Horizonte tem direito, do montante de R$ 135 bilhões, a cerca de R$ 5 bilhões.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Likes:
1 0
Views:
1615
Categorias:
Economia

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dourado Brasilis

Quem não sabe!?
Melhor seria identificar aonde vão para as isenções fiscais…

marcelo almeida

Não tem a menor razoabilidade essa pretensão de MG.
Estão apenas fazendo cortina de fumaça para ludibriar o Zema.

Nostradamus

Uma das sugestões seria dar um prazo para o Congresso Nacional votar a Lei. O STF não pode dar ordem a outro Poder. Os iludidos estão se transformando em sebastianistas. Sempre esperando a volta do Rei S. Sebastião. Pura perda de tempo.

Dourado Brasilis

Quem não sabe!?
Melhor seria identificar aonde vão para as isenções fiscais…

Nostradamus

Uma das sugestões seria dar um prazo para o Congresso Nacional votar a Lei. O STF não pode dar ordem a outro Poder. Os iludidos estão se transformando em sebastianistas. Sempre esperando a volta do Rei S. Sebastião. Pura perda de tempo.

marcelo almeida

Não tem a menor razoabilidade essa pretensão de MG.
Estão apenas fazendo cortina de fumaça para ludibriar o Zema.