Rock da virada da BlackRock no Brasil

  • por | publicado: 04/01/2024 - 13:06

BlackRock muda posições em companhias brasileiras. Gestora tem portfólio de US$ 9,4 trilhões - Credito: Reprodução/Nyse/Redes Sociais

A BlackRock Inc., maior gestora de recursos do mundo, dos Estados Unidos, pulou o exercício fiscal, de 2023 para 2024, com novas posições em companhias brasileiras. Na Embraer, por exemplo, reduziu de 5,04% (Fonte: B3) do total de ações ordinárias para 3,4%, em 28 de dezembro. A companhia comunicou à Bolsa de Valores B3 na quarta (03/01).

Na Randon S.A. Implementos e Participações, entretanto, a BlackRock traçou caminho inverso. Passou a controlar 5,003% das ações preferenciais emitidas pela holding de Caxias do Sula (RS). Assumiu, além disso, derivativos preferenciais representativos de 1,877% das ações de mesma categoria com liquidação financeira. A gestora, entretanto, até 8 de setembro, não era destaque da B3 entre acionistas da companhia.

Trilhões da BlackRock frente ao bilhão brasileiro

A BlackRock tinha, em janeiro de 2022, fundos com patrimônio de US$ 10,01 trilhões. Portanto, salto significativo frente a dezembro de 2020, com US$ 8,68 trilhões. Mas, registrava queda expressiva em abril de 2023, com saldo de US$ 9,4 trilhões.

O gigantismo da BlackRock pode ser notado frente ao somatório dos recursos do dinheiro com os fundos brasileiros: US$ 1,55 bilhão (Fonte: Anbima, abril 2023).

O portfólio da gestora norte-americana cobre negócios em mais de 100 países. Nele estão pessoas físicas, bancos centrais, corporações globais etc. O quadro funcional, em novembro, tinha cerca de 20 mil pessoas.

MATÉRIA RELACIONADA:

Parafuso da Boeing, janela da Embraer

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments