Usiminas faz caixa de US$ 750 milhões e paga BNDES


O setor produtivo de Minas Gerais tem motivos para oxigenar os ânimos nesta sexta-feira (19). Ontem, a Usiminas, que já foi a principal indústria do Estado, comunicou a conclusão da “liquidação da oferta” de papéis da dívida. Fez caixa de US$ 750 milhões (Notas da subsidiária integral Usiminas International). Os títulos vencem em 18 de julho de 2026. Ou seja, fôlego de caixa. Portanto, investidores reagirem positivamente na B3 (Bovespa) e as ações USIMI5 PNA N1, abrindo em de 0,64%, enquanto o Ibovespa era -0,61%. O BNDES terá “pré-pagamento integral”.

  • Colocação: US% 750 milhões
  • Juros anuais: de 5,875% ao ano
  • Preço de emissão: de 98,594% do montante principal
  • Rendimento anual: 6,125%
  • Vencimento: julho de 2026

Usiminas tem dívida de R$ 5,5 bi

Além do BNDES, vários financiadores do Japão também receberão “pré-pagamento integral”. Entre estes o Japan Bank for International (JBIC), Nippom Usiminas e Mizuho Bank. Porém, detentores de debêntures (Bradesco, Banco do Brasil e Itaú) terão “pré-pagamento parcial”. Isso é que foi anunciado pela empresa recentemente. No final do primeiro trimestre, a empresa contabilizava no balanço dívida bruta de R$ 5,5 bilhões, sendo 97% de longo prazo.

Investimento de R$ 1 bilhão

A usina de Ipatinga (MG) mostrava fôlego desde final de 2018. Tanto que anunciou, em abril último, planos para investir R$ 1 bilhão, neste exercício. Foi, então, muito importante, a operação, agora, viabilizando o caixa da empresa.

Resultados crescentes da Usiminas

No primeiro trimestre, a Usiminas teve lucro líquido consolidado (siderúrgica, mineração e serviços) de R$ 76,3 milhões. O EBTIDA consolidado (antes dos juros, impostos, depreciações e amortizações) exibia recuperação financeira: R$ 487,5 milhões. No período anterior, fora de R$ 366,5 milhões. No ano passado, a siderúrgica faturou R$ 13,7 bilhões e teve lucro liquido de R$ 829 milhões. A usina tem capacidade nominal para 9,5 milhões de toneladas/ano de aços. No final do ano, empregava 6,5 mil pessoas (2018). A planta de Cubatão permanece fechada desde 2015 (capacidade 4 milhões t/ano e empregava 4 mil pessoas). Previsão de retorno é para 2022.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.