Zema mantém melhoria na mira da PM como prioridade

  • por | publicado: 29/07/2020 - 08:11

Governo Zema insiste em começar privatização nas estatais mais politizadas, - Foto Gil Leonardi/ImprensaMG

Mesmo com as dificuldades de caixa para manter a máquina do Estado funcionando, o Governo Zema prioriza a melhoria da mira do tiro dos soldados da Polícia Militar. Portanto, mandará construir um estande de tiro no 20º Batalhão da Polícia Militar, localizado em Pouso Alegre, no Sul de Minas.

No dia 17 deste mês, foi feita a homologação e adjudicação da tomada de preços com a Torre Alta Engenharia Ltda, no Processo 08/2020. Serão gastos R$ 581.740.07. O objeto é a “contratação de empresa de arquitetura e engenharia destinada à construção do estande de tiro” naquele batalhão.

Zema não avança privatizações

Zema ainda administra problemas de caixa e atrasos nos salários do funcionalismo herdados da administração de Fernando Pimentel (PT). Além disso, até hoje, não conseguiu apoio suficiente na Assembleia para emplacar uma das promessas de campanha: privatizar as duas principais estatais.

Na campanha, em 2018, prometeu vender a Cia. Energética de Minas Gerais (Cemig) e Cia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). As duas são companhias de capital misto, portanto, com ações do capital listadas na Be (Brasil, Bolsa, Balcão).

  • MATÉRIAS RELACIONADAS:
  • Zema quer vender Codemig para governo Bolsonaro, via BNDES (18/06/2020) – Junto da reforma da previdência, que envia à Assembleia Legislativa, na próxima semana, o governador Romeu Zema (Novo) encaminhará o projeto que privatiza a Codemig. Poderosa estatal do nióbio, a Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas terá a venda dificultada, no entanto, por conta da pandemia do coronavírus que desaqueceu os mercados. LEIA MAIS
  • Zema poderá repetir, na Codemig, Azeredo na Cemig (23/10/2019) – Zema enfrenta mesma crise vivida por Minas 25 anos atrás e poderá apelar para saída emergencial adotada pelo governador da época. Eduardo Azeredo (PSDB), assumiu o Governo de Minas, em 1995, e não encontrou caixa para os salários do funcionalismo. Então, determinou à Cia. Energética de Minas Gerais (Cemig) negociar debêntures conversíveis em ações, equivalentes a 33% das ordinárias (direito a voto). No capital total, tinham peso de 14,4%. LEIA MAIS
  • Enquete mostra que governo tem chance de conquistar votos, mas custo pode ser alto (16/07/2019) – O resultado da enquete feita pelo site Alem do Fato traz uma boa, mas, ao mesmo tempo, uma má notícia para o governo estadual. A boa é que a grande maioria não rejeita, de antemão, a ideia de vender a Cemig e a Copasa. LEIA MAIS

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments