Ex-ministro Bebiano anuncia que vai à Justiça contra presidente Jair Bolsonaro

  • por | publicado: 23/12/2019 - 20:43
Coordenador da campanha presidencial de Bolsonaro, ex-ministro Gustavo Bebiano diz que vai à justiça contra o presidente. Foto - Agência Brasil

Coordenador da campanha presidencial de Bolsonaro, ex-ministro Gustavo Bebiano diz que vai à justiça contra o presidente. Foto - Agência Brasil

Ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebiano afirmou hoje (23) ao site Congresso em Foco que vai à Justiça contra presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista concedida à revista Veja, Bolsonaro sugeriu que Bebiano teve participação no atentado praticado contra ele em Juiz de Fora, durante a campanha eleitoral. O ex-ministro ainda disse o presidente precisa “urgentemente de tratamento psiquiátrico”.

“Já estou me mexendo para promover uma interpelação criminal. Depois, ação cível”, disse o ex-ministro. “A raiva passou. Sinto pena. O Jair está nitidamente desequilibrado. Precisa urgentemente de tratamento psiquiátrico. Estou também preocupado, uma vez que o país está sob seu comando. Isso tudo é muito triste. Não era para ser assim”, acrescentou Bebiano.

Na entrevista concedida à Veja, Bolsonaro não chegou a citar o nome de Bebiano. Mas fez ilações que remetem ao ex-ministro, que foi demitido do cargo após desavenças com o filho Carlos Bolsonaro, também chamado de 02.

“O meu sentimento é que esse atentado teve a mão de 70% da esquerda, 20% de quem estava do meu lado e 10% de outros interesses. Tinha uma pessoa do meu lado que queria ser vice. O cara detonava todas as pessoas com quem eu conversava. Liguei para convidar o Mourão às 5 da manhã do dia em que terminava o prazo de inscrição. Se ele não tivesse atendido, o vice seria essa pessoa. Depois disso, eu passei a valer alguns milhões deitado”, disse Bolsonaro à Veja.

Gustavo Bebiano presidiu o PSL, partido pelo qual Bolsonaro disputou a presidência, e foi coordenador geral da campanha. O então candidato Bolsonaro recebeu uma facada no dia 6 de setembro, em Juiz de Fora, num ato de sua campanha eleitoral. O autor do atentado foi Adélio Bispo de Oliveira, 40 anos, que disse ter agido por conta própria.

Laudos médicos indicaram que Adélio tem problemas psiquiátricos e em 14 de junho deste ano o juiz federal Bruno Savino, por considerá-lo inimputável, converteu sua prisão preventiva em internação por tempo indeterminado.

Relacionada

Ex-ministro diz que Bolsonaro é autoritário e critica filhos

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments