Infectologista classifica como “criminosa e irresponsável” fala de Zema sobre vírus

  • por | publicado: 11/04/2020 - 18:28 | atualizado: 13/04/2020 - 18:53
Infectologista Unai Tupinambá, da UFMG, classificou fala do governador Zema sobre coronavírus como "irresponsável e criminosa".

Infectologista Unai Tupinambá, da UFMG, classificou fala do governador Zema sobre coronavírus como "irresponsável e criminosa".

O infectologista Unaí Tupinambás, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), classificou como “irresponsável e criminosa” a fala do governador Romeu Zema (Novo), que em suas redes sociais afirmou ontem que “é preciso que o vírus viaje um pouco”, se referindo ao coranavírus.

Zema, depois de se reunir na quinta-feira, em Brasília, com o presidente Jair Bolsonaro, a quem foi pedir ajuda para retirar Minas da crise financeira em que se encontra, passou a admitir a possibilidade de flexibilizar as regras de isolamento social no Estado.

“Não podia deixar de falar da fala irresponsável e mesmo criminosa do nosso governador. Ele tem que ser condenado e responsabilizado por essa fala, de que o vírus tem que viajar. Nesse momento em que o mundo inteiro está fazendo um esforço para conter essa epidemia, o vírus não pode viajar, ele tem que ficar quieto. Nós temos que eliminar esse vírus o mais rápido possível”, afirma o professor no vídeo (abaixo), que foi gravado a pedido de colegas médicos preocupados com a pandemia.

Dois caminhos: o da vida e o da morte

No vídeo de aproximadamente 5 minutos, o infectologista, que é membro do Comitê de Enfrentamento do Coronavírus da UFMG e também da prefeitura de Belo Horizonte, começa afirmando que no caso dessa pandemia, há apenas dois caminhos a serem seguidos.

Um deles, segundo o médico, é o da vida, como fez província de Wuhan, na China, onde o vírus apareceu primeiro. Graças à política de isolamento de sua população, de mais de 11 milhões de habitantes, o coronavírus foi controlado e a vida na cidade começa a voltar ao normal.

“Lá eles optaram pela vida: fizeram o isolamento social, lavação de mãos, testagem, abriram dois hospitais com mil leitos cada e venceram a epidemia”, assinalou Tupinambás.

O outro caminho, segundo o infectologista, é o da morte. “É o caminho da catástrofe, feito no Norte da Itália, com abertura do comércio, sem isolamento social. Em Milão, por exemplo, o prefeito teve que vir a público pedir desculpas por ter escolhido o caminho errado. Então, temos esses dois caminhos: o da vida e o da morte”, assinalou.

O médico citou o caso de Nova York, meca do capitalismo, onde o prefeito está cavando valas para enterrar seus mortos, e disse que no Brasil a situação pode ser ainda pior, por conta da nossa desigualdade social.

“Conclamo a população de Minas Gerais a seguir essas orientações (ficar em casa, lavar as mãos e usar máscara, quem precisar mesmo sair) e não seguir a cabeça de políticos. Nessa hora, eles têm nos atrapalhado bastante”, diz o médico no vídeo. Gravado hoje, dia 11, o vídeo está sendo distribuído em grupos de WhatsApp.

É preciso que o vírus viaje

Numa rede social, o governador Romeu Zema, ao comentar a possibilidade de flexibilização do isolamento social (tarefa que, segundo ele, é mais dos prefeitos), disse o seguinte (vídeo abaixo):

  • É preciso que o vírus viaje um pouco; se nós impedirmos ele totalmente (sic), ele acaba deixando umas regiões sem estar infectadas e amanhã vamos ter uma onda gigantesca nessa região; então, o ideal é que ele se propague, mas devagar. A ausência total de propagação é ruim. “

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments