Azevêdo deixa OMC; defesa do multilateralismo comercial

  • por | publicado: 23/07/2020 - 13:53

O embaixador brasileiro Roberto Azevêdo fez despedida em reunião do Conselho-Geral, nesta quinta (23/07), em Genebra, na Suíça - Foto: OMC/Divulgação

O diplomata Renato Azevêdo fez nesta quinta (23/07) sua despedida como diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC). O brasileiro deveria ficar mais um ano, mas optou pela antecipação sob argumento que é para facilitar a transição. Azevêdo está no posto desde 2013.

Em tese, a OMC, com sede em Genebra (Suíça), funciona como um foro do comércio global. No discurso de hoje, o brasileiro deu ênfase ao esforço para resguardar regras do “multilateralismo comercial” (leia no link abaixo).

“…, em Nairóbi, em 2015, conseguimos colher alguns resultados multilaterais importantes. A eliminação dos subsídios à exportação agrícola e das distorções comerciais que eles criam era um objetivo de longa data para muitos membros. Expandimos o Contrato de Tecnologia da Informação, reduzindo e eliminando as tarifas de US $ 1,3 trilhão em produtos de nova geração de tecnologia.”

Roberto Azevêdo antecipou saída. Foto: OMC/Divulgação

OMC foi torpedeada por Trump

O diplomata Azevêdo anunciou a antecipação da saída em 25 de maio. Todavia, ele foi derrubado pela política intempestiva do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Este , por exemplo, costuma atingir no peito da China e causa incertezas nas relações comerciais e politicas do mundo.

O chefe da Casa Branca retirou seu país de acordos internacionais e até de organismos das Nações Unidas. Na ONU, sua última vítima foi a Organização Mundial da Saúde (OMS), no auge da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Trump exige “reformas” na OMC. Mas, deixou a entidade inoperante em área das mais delicadas: julgar queixas contra desrespeitos aos acordos comerciais. Ele vetou a nomeação de magistrados para o Órgão de Apelação, deixando, portanto, o Tribunal da entidade está no ponto zero.

O brasileiro marcou a saída para 31 de agosto. A OMC tem 164 países membros.

Íntegras das falas de Roberto Azevêdo:

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.