Cemig contratou Serasa a oito dias do retorno dos cortes

Cemig D pagará à Serasa R$ 4,3 milhões para se armar contra adimplentes - Foto: Reprodução/Redes Sociais

Controlado pelo Governo de Minas , Grupo Cemig, contratou a Serasa S/A (Serasa Experian) a oito dias do fim das restrições nos desligamentos da energia dos inadimplentes. A Serasa é especializada em ações de recuperação e proteção ao crédito, além de elaboração de fundamentos para o “cadastro positivo”.

A função da Serasa, portanto, será prestar serviços à Cemig em ações contra clientes inadimplentes. O contrato é de R$ 4,331 milhões (R$ 4.331.041,61), por dois anos.

O termo foi homologado pela Cemig Distribuidora S/A, em 23 de julho. Estabelece que a Serasa prestará “serviços de inclusão dos nomes de consumidores inadimplentes em cadastro de órgãos de proteção ao crédito”. Isso abrange, porém, toda “área de atuação do grupo CEMIG”. Além disso, a Serasa terá enviar “notificação” ao consumidor.

Até o dia 31 de julho, todas concessionárias do país estavam proibidas de efetuar cortes no fornecimento de energia elétrica de inadimplentes. A proibição veio no Decreto Legislativo Nº 6/2020, como medida mitigatória de parte dos sacrifícios impostos à população pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Portanto, criou proteção a consumidores residenciais rurais e urbanos e às empresas das “atividades essenciais”.

Proibido finais de semana e feriados

As famílias de baixa renda, conforme a Resolução Normativa Nº 818/2020, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), continuam protegidas, até 31 de dezembro próximo. Além disso, as empresas concessionárias voltam a cumprir todos os prazos e formas de atendimentos aos consumidores de antes. Isso inclui atendimento presencial e emissão de faturas impressas.

Mas, prevalecem várias medidas de proteção ao consumidor. Entre elas, por exemplo, a Lei Nº 14.015/2020, que proíbe as concessionárias efetuar desligamentos nos abastecimentos às sextas-feiras, sábados, domingos, feriados e em dias que antecedem feriados.

Cemig teve prejuízo de R$ 56 mi

No primeiro semestre, a holding Cia. Energética de Minas Gerais (Cemig) teve receita operacional de R$ 6,059 bilhões. Ou seja, variação nominal de apenas 2,46% sobre o 1T19. Mas, o balanço da empresa foi pressionado por R$ 726,7 milhões (+15,48%) em despesas financeiras. Isso, por conseguinte, contribuiu para o prejuízo líquido de R$ 56,846 milhões, contra o lucro de R$ 797,2 milhões, no 1T19.

Serasa fatura US$ 4,8 bi; áreas

A Serasa foi fundada em 1968, dentro da Federação Brasileiras de Bancos (Febraban). O nome surgiu para abreviar Serviços de Assessoria S/A – Serasa. Depois mudou para Serasa-Centralização de Serviços Bancários. Porém, em 2007, foi comprada pela Experian Company, da Irlanda, quando mudou o nome para Serasa Experian. Em 2015 foi reconhecida como uma empresa inovadora.

Com ações do capital listadas na Bolsa de Londres, a Serasa Experian, em 2017, faturou US$ 4,8 bilhões anuais. Em mídia de maio passado, informava ter 17.200 empregados distribuídos por 44 países. Além da matriz, em Dublin (Irlanda), tinha sedes regionais em Nottingham (Inglaterra), Califórnia (EUA) e São Paulo (Brasil).

No portfólio da Serasa Experian, destaques para atuação nas seguintes áreas: cobrança e recuperação de dívidas; consulta e concessão de crédito; gestão de clientes; gestão e enriquecimento de dados; marketing e prospecção de clientes; plataformas e motores de decisão; prevenção à fraude; e, solução com cadastro positivo.

Arquivos de 161 milhões de CPFs

De acordo com as informações institucionais, a Serasa Experian , em 2017, tinha arquivados 161 milhões de CPFs e de 9 milhões de CNPJs, além de dados de 210 grupos econômicos. A empresa era alimentada por 47,6 mil escritórios de contabilidade, 5,5 mil cartórios e outras fontes públicas e oficiais.

Ainda acordo com as informações de maio, “500 mil clientes diretos e indiretos”. E que responde on-linte/real-time a 6 milhões de consultas diárias.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.