R$ 1 bilhão de prejuízo para festas juninas do Nordeste

  • por | publicado: 24/06/2020 - 08:13 | atualizado: 25/06/2020 - 16:28

Festa junina de Campina Grande (PB) ostenta o slogam de ser a maior do mundo - Foto: Divulgação /Governo do Estado

Hoje (24/06) é dia de São João. Mas, sem as tradicionais festas, por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), cidades do Nordeste contabilizarão mais de R$ 1 bilhão em prejuízos no turismo e comércio. As cidades mais afetadas são Campina Grande (PB), Caruaru (PE) e Mossoró (RN).

Ouvido pela Folha de S.Paulo o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), relata que a cidade começa a girar receita com as festas juninas a partir de maio. Mas, é com a de São João que a arrecadação pula, chegando nos R$ 200 milhões.

A festa é muito importante para o comércio de Campina Grande e a Prefeitura. Com o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e serviços (ICMS), o resultado de junho supera das compras de Natal, em dezembro.

Caruaru também perdeu R$ 200 milhões. Mossoró, por sua vez, R$ 94 milhões, completa o jornal.

Festa de São João de Caruaru atrai milhares de pessoas para o Pátio de Eventos. Mas, neste ano, não receberá grupos de dança nem turistas — Foto: Rafael Lima/ Divulgação 2018

Coronavírus esvazia hotéis

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco (ABIH-PE), Eduardo Cavalcanti, disse à Folha que a rede hoteleira nas regiões do agreste e sertão, em função das restrições para contensão da Covid-19, operam com ocupação máxima de 10%.

Na Bahia, R$ 550 milhões

Em cidades da Bahia, em festas populares para os três santos – Santo Antônio, São João e São Pedro – os números do Governo do Estado são também gigantescos. cerca de 500 mil turistas vão às principais festas de 60 municípios, que giram mais R$ 110 milhões (2019). Mas, em todo o estado, porém, a arrecadação responderia por 55% do Nordeste, com R$ 550 milhões.

Oportunidades canceladas

As oportunidades reprimidas em serviços pela Covid-19 também são enormes. Em Caruaru, por exemplo, atrai acima 3 milhões de turistas, deixou de gerar, as menos, 12 mil colocações na temporada junina. Na Bahia, as oportunidades de colocações de mão de obra abririam 50 mil vagas.

Em Minas, kits para os alunos

Em Belo Horizonte, com a quarentena e sem aulas, escolas enviaram kits juninos para os alunos em casa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.