Vale vende VNC ao consórcio Prony; aportará US$ 555 mi

  • Avatar
  • por | publicado: 31/03/2021 - 19:50

Planta do complexo da Vale Nova Caledônia, em Goro, Nova Caledônia - Foto: Vale/Divulgação

Vale S.A. concluiu a venda (saída) de suas ações no capital da Vale Nova Caledônia (VNC – Vale Nouvelle-Calédonie S.A.S), produtora de níquel. O desfecho está em comunicado desta quarta (31/03) às Bolsas de Valores. Portanto, via subsidiária Vale Canada Limited, transferirá a participação ao consórcio Prony Ressources New Caledonia. Até então, a Vale tinha 95% no capital da VNC.

Além do sucesso no desejo da saída, há dois aspectos muito relevantes para a Vale. Primeiro, manterá o direito a contrato de longo prazo de abastecimento do metal. E, segundo, é parte no provimento financeiro de US$ 1,1 bilhão, que, assim, assegura a continuidade das operações da VNC. A Vale Canada, então, participará (fará baixa contábil no seu balanço) com US$ 555 milhões. Veja íntegra do comunicado AQUI.

O complexo da VCN, em operação há 10 anos, fica em Goro, no arquipélago francês Nova Caledônia. As instalações permitem produção de 60 mil toneladas anuais de óxido de níquel. Mas, em 2019, em função de crise operacional, produziu somente 23.400 t. Ou seja, teve ocupação pouco acima de um terço. O leque de produtos da companhia engloba outros itens como hidróxido de níquel e carbonato de cobalto.

O Governo de Paris divulgou o comunicado. Pois, pelos procolos, o Governo da França daria a palavra final. Os 5% restantes no capital da empresa pertencem à Société de Participation Minière du Sud Calédonien S.A. (SPMSC).

Dentro do Prony Ressources está a Trafigura. Esta, por sua vez, é uma das líderes globais nos negócios de matérias-primas.

Embarque de níquel da VNC – Foto: CNZ/Divulgação

Vale declarou comprometimento

O comunicado às Bolsas é sustentado por declaração de “satisfação” do presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo. Deu ênfase, por exemplo, à continuidade da VNC. “A Vale está totalmente comprometida com esta transação”. A preferência nos contratos de compra de níquel permitirá, portanto, à mineradora brasileira seguir como fornecedor relevante no nicho da indústria de carros elétricos – com motores à bateria. A empresa tem produção de níquel tambémno Brasil.

Negociação demorada

A busca de investidores na VNC foi, contudo, uma operação demorada. O primeiro anúncio da mineradora brasileira foi em maio. Na época, New Century Ressources Limited (NCZ) liderava entre os interessados.

Mas, em dezembro, veio protocolo de venda para o consórcio Prony. As partes estabeleceram final do 1º trimestre de 2021 como limite das negociações. Portanto, encerrado nesta data. Veja AQUI.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.