Contra insensatez de Bolsonaro e silêncio de Zema, Assembleia pode tornar vacina obrigatória

André Quintão discursa na Assembleia Legislativa, foto William Dias/ALMG

Um deputado estadual quer tornar a vacina obrigatória para curar, além da Covid-19, a insensatez de Bolsonaro e o silêncio de Zema. Após criticar, sem contrapontos, os arroubos do presidente, na Assembleia, o deputado André Quintão (PT) apresentou projeto que torna obrigatória a vacina em Minas. “Se o Governo federal não quiser adquirir a vacina, que repasse os recursos para os Estados comprarem”, disse ele, na quinta (22), quando tomou a iniciativa.

Por conta da eventual origem da vacina Coronavac, Bolsonaro adiantou, na quarta (20), que o governo não a compraria. A vacina é desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. Para Bolsonaro, os chineses são comunistas e inimigos de seu amigo Tio Sam.

E mais, o laboratório chinês fez parceria com o instituto paulista, com as bençãos do rival político dele, o governador João Doria Jr. (PSDB). Por conta dessa equivocada visão política, o presidente do Brasil quer afetar a saúde dos brasileiros.

“Onde está a voz de Minas?”

Para André Quintão, além de insensata, a postura de Bolsonaro é “absurda”, pois atenta contra a vida humana e contra a ciência. O deputado também julgou estranho o silêncio de Romeu Zema (Novo) diante das declarações do presidente. E lembrou que governadores de outros estados do Brasil manifestaram sua desaprovação ao anúncio de Bolsonaro.

“Estranha muito o silêncio do governador depois do pronunciamento do presidente Bolsonaro contra a ciência, a saúde e contra a vida humana. Onde está a voz de Minas?”, questionou ele.

Calendário de imunizações

Em seu projeto, Quintão inclui a vacina contra Covid-19 no calendário estadual de imunizações. O objetivo é que, independentemente das “atrocidades” do presidente, Minas tenha como meta a vacinação universal quando a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovar. Caso o Governo federal não a disponibilize por ser chinesa, como o presidente declarou, o Estado terá que se mobilizar para garantir os recursos e logística necessários.

O deputado destacou que o que mais as pessoas esperam hoje é o desenvolvimento, a comprovação científica e o acesso à vacina, para que se sintam mais protegidas. “E para que a economia possa ser retomada em sua plenitude e as redes de educação voltem a ter o funcionamento normal”, afirmou Quintão.

LEIA MAIS: As duas crises que afetam o Brasil: coronavírus e presidente Jair Bolsonaro

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments