Bolsonaro ignora erros e exige eficácia do BID na Amazônia

  • Avatar
  • por | publicado: 18/03/2021 - 19:24

Bolsonaro não apoia políticas de defesa ambiental na Amazônia. Mas se achou no direito de antecipar cobranças ao BID na região - Foto: Reversa Florestal Jamanxim/Agência Brasil

Usando uma de suas marcas, tripudiar, o presidente Jair Bolsonaro cobrou “eficácia” do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Agiu assim por conta do anúncio de um fundo de incentivo a projetos de bioeconomia na Amazônia, que somem com políticas pela sustentabilidade ambiental do bioma. Começará com US$ 20 milhões. Ou seja, Bolsonaro cobrou eficiência onde é exemplarmente um governante omisso e sofrível.

O BID bancará recursos. Mas será muito seletivo no apoio. De acordo com seu presidente, Maurício Claver-Carone, privilegiará projetos “novos modelos de agricultura e pecuária sustentável, já que os atuais fomentam o desmatamento”.

O anuncio do fundo, nesta quinta (18/03), foi no contexto da 61ª Reunião Anual de Governadores (48 países), em Barranquila, na Colômbia.

O noticiário gerado pela Agência AFP, destaca que, em sua intervenção, Bolsonaro pontuou a escassez mundial de recursos. Foi, então, quando cobrou “eficácia”. Além disso, ditou aos governadores BID aquilo que,de forma alguma, deverá acontecer com esse fundo:

  • atrasos;
  • desperdícios;
  • desvios de verba.

Mas, se contrapondo ao chefe do Planalto, o presidente da Colômbia, Iván Duque, propôs compromisso. “Tudo que fizermos pela Amazônia precisa estar enquadrado nos efeitos da mudança climática”.

Grupos indígenas protestam contra liberação do garimpo em Roraima

Censura ao INPE varreu do site incêndios na Amazônia

Festival de crimes na Amazônia

Bolsonaro, portanto, na maior cara de pau, sentou em cima de um rosário de crimes ambientais seguidos e gravados na Amazônia em seu governo. Por exemplo:

  • agribusiness – incêndios e desmatamentos para expansões das da pecuária e agricultura;
  • garimpos – incêndios e poluição dos rios pelos garimpos clandestinos e legais;
  • madeireiras – desmatamento pela indústria das madeireiras (associadas a sindicatos filiados às federações das indústrias estaduais – Sistema da Confederação Nacional da Indústria – CNI);
  • mineradoras – incentivo às invasões e cessões oficiais de porções às atividades da mineração em reservas indígenas e de preservação permanente;
  • expansões – desmatamentos e incêndios para novos projetos e expansões em áreas já ocupadas por mineradoras.

Vale desiste das áreas indígenas na Amazônia

Incêndios também abrem caminhos para agropecuária na Amazônia – Foto: Agência Brasil

Condição para findar desmatamento

O presidente, então, seguindo a trilogia bem conhecida, não admitiu culpa para crimes ambientais na Amazônia. Além disso, até apresentou condicionante para o fim do desmatamento na parte brasileira. “O desenvolvimento sustentável e o fim do desmatamento ilegal dependem da valorização da economia amazônica e da melhoria da qualidade de vida da população local“. Veja AQUI material produzido pelo portal Uol.

Apesar do nome, além das regiões das Américas e do Caribe Latina, participam do BID países da Europa e Ásia. Com o cenário da pandemia da Covida-19, portanto, a reunião ocorre no formato semivirtual. Aberta ontem, será concluída domingo (21/03). ENTENDA AQUI como funciona BID.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.