CSN triplica verba em inovação; rede do CNPq nocauteada

  • por | publicado: 28/07/2021 - 17:29 | atualizado: 30/07/2021 - 14:39

CSN reverte prejuízo, com lucro de mais de R$ 11,2 bi e triplica orçamento em inovação - Foto: CSN/Divulgação

O país foi alertado, nesta quarta (28/07), para a gravidade da pane na rede de computadores do CNPq. Principal causa: histórico somatório da falta de recursos para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) – links no final do post. Por ironia, essa percepção veio em mesmo dia em que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) comunica à B3 (Brasil. Bolsa. Balcão) que triplicou recursos da CSN Inova Ventures.

A CSN Inova é o braço da siderúrgica de apoio a projetos em inovação tecnológica. O fundo de venture capital para staturps, portanto, está em R$ 100 milhões. Entretanto, a prioridade segue na aplicação do grafeno como elemento inovador tecnológico na própria siderurgia.

Na atração de projetos para aplicação do grafeno, a primeira investida da CSN Inova é a 2D Materiais Pte Ltda (2DM), de Singapura. A 2DM deverá, entretanto, entregar soluções no foco dos processos e desenvolvimento de novos produtos do grupo siderúrgico de Volta Redonda (RJ).

Em 2020, a CSN Inova contou com R$ 30 milhões para projetos de startups.

CSN cresce 26% no 2T21; reverte prejuízo no 1S20

No 1T21, os investimentos totais (siderurgia, mineração e outros) pela CSN totalizaram R$ 759 milhões. Representaram, portanto, crescimento de 85% em relação apo trimestre anterior. O destaque foi na mineração, com R$ 494 milhões, ou seja, salto de 182,2%.

A despeito da ligeira queda (2%) no volume físico, para 1,281 milhão de toneladas, a receita das vendas da CSN cresceram 26%. Atingiram, portanto, R$ 6,656 bilhões. O valor médio do aço vendido pela companhia evoluiu 22%, para R$ 8.144,00 a tonelada.

No 1S21, as vendas consolidadas do Grupo CSN somaram R$ 27,304 bilhões, conforme divulgação de resultados nesta quarta (28/07). Evoluíram, então, 136,2% na comparação com 1S20, período mais afetado pela pandemia do novo coronovírus (Covid-19). A siderúrgica, como consequência do bom desempenho das vendas, conseguiu reverter o prejuízo de R$ 865 milhões (1S20) e apresentar o balanço com lucro de R$ 11,209 bilhões.

Fala desastrada de um ministro sem verbas; caso CNPq

Desastrosa a declaração do ministro do MCTI para o grave problema CNPq exatamente no uso da tecnologia da informação e comunicação (TIC). A rede de computadores do CNPq caiu. A situação, que já dura dias, é motivo de preocupação para pesquisadores e demandadores de serviços.

Em mensagem, exibida em telejornal, desta tarde, chefe do MCTI, o ministro Marcos Pontes (astronauta e oficial da reserva da Aeronáutica), quis amenizar a gravidade do problema. Em trecho que a televisão exibiu, declarou: “É simplesmente uma peça (objeto) crítica que deu pane”.

Mario Neto Borges, ex-presidente da Fapemig e CNPq, faz seguidos alertas para consequências dos cortes de recursos na pesquisa. Reveja abaixo em “OCDE exige mais que …” – Foto: Fapemig/Divulgação

O que vive na carne o CNPq, além de previsível, é o conjunto de obra antiga de todos os governos: falta verbas e cortes históricos nos orçamentos do Ministério (veja nas matérias dos links abaixo). Pontes, devido ao enorme apego ao cargo e obediência cega ao chefe, o presidente Jair Bolsonaro, perde mais uma chance de prestar enorme serviço ao país.

Mas não é de se esperar postura relevante do ministro, como, por exemplo, a renúncia, em protesto e solidariedade com a pesquisa.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments