Weg assegura ter saúde financeira para superar Covid-19

  • por | publicado: 22/05/2020 - 00:43 | atualizado: 25/05/2020 - 14:16

Weg S.A., de Jaraguá do Sul (SC), opera fábricas em onze países e é líder mundial em motores elétricos industriais - Foto: Divulgação/Weg

Robustez financeira suficiente para atravessar 2020, representado por um “caixa bruto” de R$ 3,4 bilhões, no final do 1º trimestre do ano. Essa segurança foi transmitida por diretores da Weg S.A., líder global em motores elétricos, para analistas brasileiros de importantes bancos. E se tivesse de baixar 100% do endividamento, mesmo assim, sobraria um caixa líquido de R$ 908 milhões, em 31 de março. “Essa situação permite atravessarmos de forma equilibrada o período de deterioração macroeconômica causada pela Covid-19”, afirmou o diretor de Finanças de Relações com Investidores, Paulo Polezi.

“É importante ressaltar que não temos vencimentos relevantes de dívidas nos próximos 12 meses e também não temos nenhuma pressão de covenants financeiros”, disse Polezi. Os covenants seriam “uma parcela muito pequena”. “Esta combinação de balanço sólido e baixo endividamento deve assegurar condições favoráveis para conseguirmos suportar essa crise”, completou.

A teleconferência da Weg com os analistas de bancos (Bradesco BBI, UBS, BTG Pactual, Banco do Brasil, Credit Suisse e HSBC) foi no dia 30 de abril, mas a transcrição enviada à Bolsa de Valores ontem (21/05). A multinacional brasileira tem plantas em mais dez países: China, Estados Unidos, Colômbia, México, Áustria, Portugal, Argentina, África do Sul, Alemanha e Índia. Mas sempre manteve a sede do grupo onde foi fundada, em 1961, em Jaraguá do Sul (SC).

Lucro elevado em 47,2%

Mesmo com os efeitos negativos da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a Weg contabilizou receita líquida de R$ 3,714 bilhões. Foi, portanto, 26,7% superior a de mesmo período em 2019. O lucro líquido, de R$ 453,9 milhões, superior 47,2%. A geração de caixa (EBITDA) da empresa evoluiu 34,1%, para R$ 619 milhões. Apesar da crise, no período, realizou investimentos de R$ 126 milhões.

O diretor-superintendente Administrativo Financeiro, André Luiz Rodrigues, observou que a empresa paralisou temporariamente as quatro fábricas na China. Isso foi em fevereiro, no ápice da pandemia surgida na cidade Wuhan.

A Weg registrou ativos de R$ 17,3 bilhões, mais 10,7% em relação ao último trimestre de 2019. O patrimônio líquido era de R$ 9,8 bilhões (+10,68%). Além de motores, empresa fornece equipamentos e soluções para vários segmentos: geração eólica, eletrônico, tecnologia, tintas e vernizes.

Weg alerta: cenário é de incertezas

A multinacional Weg encerrou o 1º trimestre com ativos de R$ 17,3 bilhões – Foto: Weg/Divulgação

O superintendente Administrativo Financeiro chamou atenção para aspectos da segurança dos funcionários e parceiros. Detalhou, por exemplo, que as ações foram divididas em três “níveis de comitê de crise”: executivo, operacional e no exterior.

Mas que a Weg se valeu muito de aprendizados como a pandemia H1N1, no México, em 2009, e da própria Covid-19. Além disso, implementou procedimentos para preservar a estrutura de seus negócios: monitoramento dos riscos de crédito dos clientes; otimização do ciclo financeiro; revisão do plano anual de investimentos; e, manutenção de posição de caixa.

Sobre as perspectivas da Weg, André Rodrigues, ponderou: “… eu gostaria de comentar sobre as nossas perspectivas para o ano de 2020, que são muito diferentes daquelas que tínhamos visibilidade no início do ano. Vale destacar que ainda estamos no meio da pandemia, vivendo um cenário de muitas incertezas e fazer qualquer tipo de projeção seria precipitado neste momento”.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.