Taxar super-ricos poderia render R$ 116 bilhões para enfrentar Coronavírus

Reunião da Fenafisco com entidades parceiras, foto site do Fenafisco

Em vez de cortar salários dos trabalhadores, o presidente Jair Bolsonaro poderia criar imposto para os super-ricos, que, juntos, acumulam fortuna de R$ 1,2 trilhão. Com a taxação de apenas 3% sobre o montante, seria possível arrecadar R$ 36 bilhões, valor superior ao orçamento de 1 ano do Bolsa-Família. E mais, se taxasse em só 1% o patrimônio das famílias mais ricas, a receita poderia chegar a R$ 80 bilhões. Somados, renderiam R$ 116 bilhões aos cofres públicos a mais para enfrentar os efeitos da pandemia do coronavírus.  

A proposta foi formalizada, na segunda (23) por um conjunto de entidades lideradas pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco). Entre elas, a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), os Auditores Fiscais pela Democracia (AFD) e o Instituto Justiça Fiscal (IJF). Eles divulgaram um documento com 14 propostas para serem implementadas a fim de amenizar os impactos econômicos da Covid-19 no país.

“O Brasil possui 206 bilionários que, juntos, acumulam uma fortuna de mais de R$ 1,2 trilhão. Esses 206 bilionários pagam proporcionalmente menos impostos que a classe média e os pobres. A soma de toda a riqueza das famílias brasileiras é de cerca de R$ 16 trilhões, estando a quase metade de toda essa riqueza – ou seja, R$ 8 trilhões – nas mãos de apenas 1% das famílias”, argumentou o presidente da Fenafisco, Charles Alcântara.

Quantia equivale à receita de Minas Gerais

De acordo com ele, se o país taxasse o patrimônio trilionário dessas famílias em apenas 1%, seria possível arrecadar R$ 80 bilhões. “Isso equivale ao valor de toda a receita estimada em 2020 para o Estado de Minas Gerais, o segundo mais populoso do Brasil, com mais de 20 milhões de habitantes”, sustentou.

E sugere fazermos as contas: R$ 36 bilhões cobrados da renda dos 206 bilionários e R$ 80 bilhões sobre o patrimônio do 1% das famílias mais ricas somariam R$ 116 bilhões.

“Esses R$ 116 bilhões a mais nos cofres públicos sequer representam sacrifício para esse punhado de bilionários, mas equivale a praticamente todo o orçamento federal da saúde. Se chamados a contribuir um pouquinho mais com o país, garanto que nenhum desses bilionários deixaria de frequentar os melhores restaurantes do mundo, satisfazer todos os seus desejos mais extravagantes ou deslocar-se nos seus jatinhos executivos de última geração”, afirmou.

Proposta da Fenafisco e entidades

Fundo de emergência de R$ 100 bi

Desse total, R$ 100 bilhões iriam especificamente para um Fundo Nacional de Emergência. Os recursos para abastecê-lo sairiam da tributação da renda e do patrimônio dos super-ricos através da taxação de dividendos, grandes heranças e fortunas, entre outras medidas.

A proposta foi apresentada pelas entidades no mesmo dia em que o presidente Bolsonaro tentou, por meio de Medida Provisória, cortar os salários dos trabalhadores em meio à crise. Alcântara criticou também os donos do jornal O Globo, que, em editorial de sexta (20), defenderam a redução dos salários dos servidores públicos.

“Eles fazem parte dos 206 bilionários e das famílias brasileiras que detêm, juntas, um patrimônio de R$ 8 trilhões. A família Marinho não se dispõe a abrir mão de uma parcela insignificante da sua fortuna para ajudar o país, mas se acha no direito de propor que os servidores públicos sejam confiscados em seus salários”, criticou.

Confira aqui as 14 propostas das entidades e, se quiser, pode dar seu apoio às medidas

Minas e 26 estados pedem socorro a Bolsonaro e avisam que não há tempo a perder

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

All Comments

Subscribe
Notify of
guest
5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fircavazza Coelho

Passando da hora de se fazer essa justiça . Se não for por bem e para o bem , será por mal .

Roberto Carlos da Silva

Bolsonaro mexer com Ricos???? Jamais !!!! Ele governa é pra ricos !!! Com os ricos ele seu competente” ministro,Guedes, Enviam o rabo entre as pernas e lambe o chão!

Para ele pobre tem que se fuder!!!

Vítor Diniz

O PT ficou 13 anos na presidência.
Pq não criou esse imposto?

Vítor Diniz

Só lembrando.
A criação desse imposto não resolveria nada em 2020, pois a cobrança somente poderia ser iniciada em 2021.
E imposto não pode ter uma destinação específica, iria para o caixa único.
A opção seria criar uma contribuição, que poderia ser cobrada em 90 dias após a lei e com destinação.
Mas contribuição não pode ser sobre patrimônio.
E não é simples.
Se uma proposta dessas fosse para o Congresso nesse momento, não seria aprovada.
Basta lembrar que o PT ficou 13 anos no poder e nem tocou no assunto.

Victor Joao

Então basta pensar se você fosse um super-rico, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Austrália, vários países decentes o receberiam de braços abertos. Você deixaria sua riqueza no Brasil? Fosse eu já estaria longe, só moro aqui porque não tenho opção.